nsc

publicidade

Educação

Alunos da escola Anísio Teixeira, de Florianópolis, são transferidos para outras 19 unidades educacionais

Maioria dos estudantes da escola interditada vai ficar na Adotiva Liberato Valentim, no mesmo bairro, Costeira do Pirajubaé

30/05/2019 - 12h14 - Atualizada em: 30/05/2019 - 12h19

Compartilhe

Caroline
Por Caroline Stinghen
Escola Anísio Teixeira, na Costeira do Pirajubaé, fica ao lado de um riacho
Escola Anísio Teixeira, na Costeira do Pirajubaé, fica ao lado de um riacho
(Foto: )

Os cerca de 500 alunos da Escola Básica Anísio Teixeira, do bairro Costeira do Pirajubaé, em Florianópolis, estão sendo transferidos ao longo desta semana para outras 19 unidades educacionais da Capital. O colégio foi interditado na última sexta-feira (24), após a Defesa Civil constatar que a situação da estrutura física da escola apresentava riscos aos estudantes.

A maioria dos pedidos de transferência feitos pelos pais nestes quatro dias, principalmente dos alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, foi para a Escola Básica Adotiva Liberato Valentim, também localizada na Costeira. De acordo com a secretaria de Educação de Florianópolis, até a manhã desta quinta-feira (30), foram confirmados 126 estudantes para a Adotiva.

Estes alunos devem se juntar às turmas já existentes da Adotiva. A Secretaria de Educação avalia a possibilidade de instalação de salas modulares, mas o martelo ainda não foi batido para esta hipótese.

Os demais alunos do ensino fundamental estão sendo deslocados para outras 15 unidades da Capital (confira na lista abaixo). Eles também se juntam às turmas existentes dos colégios. A assessoria de imprensa da prefeitura informa que muitos pais matricularam os filhos em escolas em bairros que ficam mais longe e até em unidades particulares por escolha própria.

Das 44 crianças da educação infantil, 25 foram transferidas para o Neim Hassis, da Costeira, e as demais para o Neim Monsenhor Frederico Hobold, também na Costeira, e Neim Zilda Arns, no bairro Carianos.

Os 113 matriculados na Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJA) da Anísio já estão tendo aulas na Adotiva Liberato Valentim durante a noite.

Vale-transporte até sexta-feira

Aos alunos da Anísio Teixeira que precisarem de vale-transporte, a prefeitura garantiu que “a expectativa é que todos recebam o benefício a partir desta sexta-feira (31)”.

A sala de situação na Adotiva se mantém ao longo dos dias, para os pais tirarem dúvidas e fazerem os pedidos de transferência. A prefeitura se comprometeu a também entrar em contato com os pais, para garantir que todos os estudantes voltem a ser rematriculados em escolas da cidade.

Para onde vão os 440 alunos do ensino fundamental:

- Escola Básica Municipal Adotiva Liberato Valentim (Costeira do Pirajubaé)

- Escola Básica Estadual Júlio da Costa Neves (Costeira do Pirajubaé)

- Escola Básica Estadual Ildefonso Linhares (Carianos)

- Escola Básica Estadual Getúlio Vargas (Saco dos Limões)

- Escola Básica Estadual Jurema Cavallazzi (José Mendes)

- Escola Básica Municipal José do Valle Pereira (João Paulo)

- Escola Básica Estadual Porto do Rio Tavares (Rio Tavares)

- Escola Básica Municipal João Alfredo Rohr (Córrego Grande)

- Escola Básica Municipal almirante Carvalhal (Coqueiros)

- Escola Básica Estadual Tenente Almachio (Tapera)

- Escola Básica Municipal Dilma Lúcia dos Santos (Armação do Pântano do Sul)

- Escola Básica Estadual Lauro Muller (Centro)

- Escola Básica Municipal João Gonçalves Pinheiro (Rio Tavares)

- Escola Básica Estadual Simao Jose Hess (Trindade)

- Escola Básica Municipal Batista Pereira (Alto Ribeirão)

- Escola Básica Municipal Beatriz de Souza Brito (Pantanal).

Problema estrutural ainda não foi diagnosticado

O problema que ocasionou as rachaduras em paredes e vigas, e o recalque de fundação grave no bloco 2 da escola Anísio Teixeira, e por consequência sua interdição, ainda não foi identificado pela equipe de engenheiros e geólogo contratados pela prefeitura, informou a Secretaria de Educação.

Em uma das salas do bloco 2, um buraco se abriu
Em uma das salas do bloco 2, um buraco se abriu
(Foto: )

Os trabalhos continuam e têm um prazo para serem encerrados no final de julho. Até então, informou o diretor da Defesa Civil de Florianópolis, Luiz Eduardo Machado, o que se pode afirmar é que o bloco 2 será demolido. Há salas onde o chão cedeu. Ainda não há a definição se a escola inteira será reconstruída ou apenas reformada.

Deixe seu comentário:

publicidade