nsc

publicidade

Região Norte

Análise feita em macaco achado morto em Corupá dá negativo para febre amarela

Resultado de exame foi divulgado nesta segunda-feira pelo Lacen

09/04/2018 - 15h21 - Atualizada em: 09/04/2018 - 15h40

Compartilhe

Por Redação NSC

O macaco bugio encontrado morto em Corupá, no Norte de Santa Catarina, no dia 1º de março deste ano não estava infectado pela febre amarela. O resultado da análise feita no corpo do animal foi divulgado nesta segunda-feira (9) pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), de Florianópolis.

O exame foi encaminhado pelo Lacen ao Instituto Carlos Chagas (Fiocruz) do Paraná e serviu para descartar a infecção. À época em que o macaco foi encontrado morto, a Secretaria de Saúde de Corupá avisou a população local para monitorar e comunicar casos semelhantes nas redondezas.

Segundo o secretário de Saúde de Corupá, Irineu Pasold, esse é o segundo caso de macaco encontrado morto no município desde o ano passado. O primeiro foi achado em setembro de 2017, mas depois de análises feitas também não foi confirmado qualquer indício de febre amarela. Já sobre o macaco encontrado morto em março, a suspeita é de que o animal possa ter morrido em decorrência de um choque elétrico.

O secretário explica ainda que o resultado negativo para a febre amarela deixou a equipe da Secretaria mais tranquila, apesar de todos os procedimentos de prevenção terem sido tomados antes mesmo do resultado chegar.

A secretaria orienta que, caso algum macaco morto seja encontrado, deve-se entrar em contato com a Saúde do Município por meio dos telefones: 3375-1234 ou 3375-2161.

A febre amarela e os macacos

A febre amarela é uma doença infecciosa grave causada por vírus e transmitida principalmente por mosquitos de áreas urbanas ou silvestres. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos.

As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e pode ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

Os macacos não transmitem o vírus da febre amarela. Pelo contrário. São tão vítimas quanto os humanos. E ainda cumprem uma função importante: ao contraírem o vírus, transmitido em ambientes silvestres por mosquitos do gênero Hemagogo, eles servem de alerta para o surgimento da doença no local.

Desse modo, contribuem para que as autoridades sanitárias tomem logo medidas para proteger moradores ou pessoas de passagem na região.

Leia mais notícias

Deixe seu comentário:

publicidade