publicidade

Economia
Navegue por

Trânsito

ANTT diz que ritmo das obras do Contorno Viário de Florianópolis só será retomado no fim de janeiro

Problemas entre a concessionária da BR-101 e a empreiteira que cuidava das obras geraram três paralisações

18/01/2019 - 11h55 - Atualizada em: 18/01/2019 - 13h26

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Ritmo das obras ainda é lento na Grande Florianópolis
Ritmo das obras ainda é lento na Grande Florianópolis
(Foto: )

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informou nesta sexta-feira (18) que o ritmo das obras de construção do Contorno Viário de Florianópolis só será plenamente retomado no fim deste mês de janeiro. O trabalho no trecho que deverá desviar o tráfego pesado das regiões centrais de Biguaçu, São José e Palhoça, na Grande Florianópolis, vem sofrendo nos últimos meses, com constantes paralisações.

Conforme a ANTT, em todos os casos, houve problemas entre a construtora contratada para fazer a obra e a concessionária Arteris Litoral Sul, que é a responsável pelo empreendimento. A construtora acabou sendo dispensada pela Arteris, após três paralisações nas atividades.

Segundo a ANTT, uma nova construtora foi contratada pela Arteris. No dia 8 de janeiro, eles retomaram os trabalhos, recontrataram os funcionários da antiga empreiteira que tinham sido dispensados e colocaram as máquinas no canteiro de obras.

A ANTT diz que, apesar das paralisações, isso não deve impactar o cronograma das obras, previstas para serem entregues apenas em dezembro de 2021.

Sobre as ocorrência dessas e de eventuais novas paralisações, a ANTT informou que não tem como intervir na contratação entre a Arteris e as construtoras que executam a obra. Isso porque o contrato firmado entre o governo e a concessionária deixa claro que cabe à empresa a subcontratação de outras companhias que prestem serviços específicos.

No entanto, caso o prazo de entrega das obras não seja cumprido, a agência afirma que poderá multar a Arteris. Os valores serão calculados com base nos dias em que a entrega acabe atrasando.

Em uma nota encaminhada à imprensa, a construtora Salini Impregilo, que estava à frente das obras, informou que estava com dificuldades financeiras, que foram geradas por falhas no projeto de construção da rodovia e também por atrasos nos repasses.

Devagar, quase parando

O contorno viário da Grande Florianópolis tem o objetivo de desviar o tráfego de longa distância que atualmente passa na BR-101 na região de Florianópolis. Os estudos realizados preveem redução de aproximadamente 20% na intensidade desse tráfego. Mas as obras, que inicialmente deveriam ficar prontas em 2012, enfrentaram diferentes problemas ao longo dos últimos anos.

Em novembro de 2018, a Construtora Salini Impregilo decidiu demitir funcionários e reduzir o ritmo das atividades. De acordo com a Arteris, a construtora alegou que não tinha condições financeiras para seguir executando o contrato. À época, a concessionária afirmou que os repasses de dinheiro para a Salini Impregilo estavam em dia.

Já em outubro deste ano, os funcionários da Salini Impregilo entraram em greve. Os trabalhadores exigiam reajuste de salários. Os trabalhos obras ficaram parados por 11 dias, até que a Justiça do Trabalho determinou multa diária aos trabalhadores, caso mantivessem o protesto.

A obra está prevista para ser entregue em 2022. Quando terminar, o contorno deverá ser usado, principalmente, para desviar o tráfego de caminhões pesados que atualmente precisam cortar as regiões centrais de Biguaçu, São José e Palhoça, o que ajuda a complicar ainda mais o trânsito nessas áreas.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação