nsc

publicidade

Economia

Após 16 meses, Banco Central volta a cortar taxa básica de juro

Copom reduz a Selic em 0,50 ponto percentual, de 6,5% para 6% ao ano

31/07/2019 - 18h50 - Atualizada em: 31/07/2019 - 19h02

Compartilhe

Por GaúchaZH

Depois de 16 meses, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) voltou a cortar a taxa básica de juro do país, em tentativa de estimular a economia, que não conseguiu engatar recuperação. Em reunião encerrada nesta quarta-feira (31), o colegiado reduziu a Selic em 0,50 ponto percentual, de 6,5% para 6% ao ano. Com a decisão, o colegiado renovou a mínima histórica da taxa.

Até então, o último corte havia sido confirmado em março do ano passado. De lá para cá, houve 10 reuniões que terminaram com o juro básico mantido em 6,5%. A nova redução era aguardada por analistas do mercado financeiro, já que existem sinais de estagnação na economia e a inflação segue sob controle no país. A dúvida consistia na amplitude da baixa: de 0,25 ponto percentual ou de 0,50 ponto percentual.

Economista-chefe do Banco Ourinvest, Fernanda Consorte afirma que a aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno, na Câmara dos Deputados, em julho, representou fator adicional para o corte na Selic. Ou seja, com o andamento do projeto, empresários enxergam maior possibilidade de ajuste nas finanças públicas. Essa avaliação pode dar fôlego a novos investimentos privados, e o juro mais baixo seria atrativo aos aportes, aponta Fernanda.

– O Copom deixou claro que o estímulo monetário viria com o andamento da reforma. A economia está estagnada por falta de confiança. Esse sentimento pode voltar a crescer entre empresários com a avaliação mais positiva sobre o futuro da situação fiscal do país – observa a analista.

Analistas acreditam que taxa fechará o ano em 5,5%

O movimento de corte no juro não ficou restrito ao Brasil nesta quarta-feira. Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed), o banco central americano, reduziu a taxa local em 0,25 ponto percentual, para a faixa de 2% a 2,25% ao ano. Foi a primeira baixa em uma década no país comandado por Donald Trump, que trava disputa comercial com a China.

No Brasil, a Selic é referência para as taxas de juro oferecidas a consumidores por bancos e instituições financeiras. Quando está em nível baixo, como o atual, pode servir de incentivo ao consumo e aos investimentos de empresas. Quando está em patamar alto, ajuda a conter a inflação, porque desestimula o consumo, elevando o juro de financiamentos, empréstimos e cartões de crédito.

Sócio da consultoria Tendências, o economista Silvio Campos Neto menciona que a alta ociosidade na indústria e o desemprego em nível avançado também influenciaram a redução na Selic. Apesar de ser vista como forma de estímulo, a medida por si só não garante a retomada do país após a última recessão, acrescenta Campos Neto.

– O corte na Selic é um dos elementos da reação. Esperamos novas reduções nos próximos meses. A agenda de reformas e simplificação resultará na maior confiança de empresários e consumidores – pontua o economista.

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central projetam que a Selic fechará o ano em 5,50%. A estimativa aparece na edição mais recente do boletim Focus, divulgada pela instituição na segunda-feira (29).

Leia as últimas notícias no NSC Total

Ainda não é assinante? Faça sua assinatura do NSC Total para ter acesso ilimitado do portal, ler as edições digitais dos jornais e aproveitar os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade