nsc
    dc

    Não rolou

    Após críticas, ONU desiste de usar Mulher-Maravilha em campanha 

    Personagem dos quadrinhos seria embaixadora honorária para o empoderamento de mulheres e meninas

    13/12/2016 - 12h23

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    A ideia de usar a personagem Mulher-Maravilha como símbolo da ONU na luta por direitos das mulheres não foi para frente. Apontada há quase dois meses como embaixadora honorária da ONU para o empoderamento de mulheres e meninas, a super-heroína das histórias teve sua participação cancelada após receber críticas em relação principalmente à sua hipersexualização.

    "Embora os criadores da Mulher-Maravilha possam ter buscado representar uma 'guerreira' forte e independente com uma mensagem feminista, a realidade é que a representação atual da personagem é de uma mulher branca, de seios grandes, com proporções impossíveis", diz uma petição online assinada por quase 45 mil pessoas.

    Leia mais:

    Mulher-Maravilha ganha novo trailer mostrando a ilha das amazonas

    Clara Averbuck: não dá na cara dela!

    Na entrega do Nobel, Patti Smith interrompe canção ao representar Dylan

    Em outubro, a presidente da DC Comics, editora que criou a Mulher-Maravilha em 1941, visitou a sede da ONU em Nova York para lançar a campanha que estrelaria a personagem ao longo de 2017 e foi recebida com o protesto de dezenas de funcionários do organismo. Os críticos afirmam que a organização deveria dar o exemplo na luta pela igualdade de gêneros.

    A DC Comics diz que a Mulher-Maravilha luta por paz, justiça e igualdade e afirmou estar satisfeita com a visibilidade que a super-heroína trouxe para o combate à violência de gênero. Um longa-metragem sobre a personagem será lançado pela Warner Bros. em junho de 2017, sem ligação com a campanha da ONU.

    *Com informações de Folhapress

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Entretenimento

    Colunistas