publicidade

Cotidiano
Navegue por

Insegurança

Área onde dois prédios desabaram no Rio de Janeiro  é dominada pela milícia

A ação de milicianos na região dificulta a fiscalização de obras, explicou a prefeitura da cidade

12/04/2019 - 14h18 - Atualizada em: 12/04/2019 - 14h23

Compartilhe

Por Folhapress
(Foto: )

O bairro onde ocorreu o desabamento de dois prédios na manhã desta sexta-feira (12) é área de atuação de uma milícia. A Prefeitura do Rio de Janeiro afirma que o grupo paramilitar dificulta a atuação de fiscais do município na região. Segundo a gestão Marcelo Crivella (PRB), os dois imóveis que desabaram são irregulares.

Segundo o Corpo de Bombeiros, até as 14h15min desta sexta-feira, ao menos duas pessoas morreram - um homem e uma criança, com identidades ainda desconhecidas.

Milícias como a da Muzema costumam ser as responsáveis ou protegem a construção de prédios sem licença dos órgãos públicos. Os novos moradores e comerciantes que ocupam esses edifícios passam a ser nova fonte de renda das quadrilhas.

— A região é uma Área de Proteção Ambiental (APA) e os prédios ali construídos não respeitam a legislação em vigor. Por se tratar de área dominada por milícia, os técnicos da fiscalização municipal necessitam de apoio da Polícia Militar para realizar operações no local. Foi o que aconteceu em novembro de 2018, quando várias construções irregulares foram interditadas e embargadas pela prefeitura — afirmou a prefeitura em nota.

De acordo com a legislação em vigor, a região só poderia ter casas para uma família, e não prédio com diversas unidades.

— Na Muzema, as construções não obedecem aos parâmetros de edificações estabelecidos, como afastamento frontal, gabarito, ocupação, número de unidades e de vagas — diz a prefeitura em nota.

Como foi

Os prédios caíram por volta das 6h30min desta sexta. Os bombeiros foram alertados da ocorrência às 6h48min. Equipes de três quartéis (Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Alto da Boa Vista) foram deslocadas para o local.

A região é de difícil acesso e os veículos de resgate tiveram dificuldade para chegar ao local, por conta do excesso de lama, recorrência das chuvas da última segunda (8). O local foi bastante castigado pelo temporal desta semana que alagou ruas, avenidas, casas e matou dez pessoas em várias partes da capital fluminense.

Os bombeiros chegaram ao local por volta das 7h20min e começaram os trabalhos de resgate às vítimas.

Segundo os primeiros relatos dos sobreviventes, os edifícios tinham quatro e seis andares e ainda estavam em obras. Ao menos quatro famílias viviam nas construções. Antes da queda, foram ouvidos grandes estalos na estrutura.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação