O pesquisador britânico Oliver Wilson é o responsável pelo estudo recém-divulgado e publicado na revista científica Global Change Biology que aponta as mudanças climáticas podem resultar no desaparecimento das araucárias em Santa Catarina.

Continua depois da publicidade

No cenário mais positivo desenhado pelos pesquisadores, 85% do ambiente favorável para o crescimento de araucárias na região terá desaparecido até 2070. Em outros cenários menos otimistas, os pesquisadores não encontraram nenhum lugar no Sul do Brasil em que as árvores teriam o clima próprio para sobrevivência da espécie daqui a 50 anos.

O artigo publicado por Wilson traça um mapa detalhado do Sul do país, especialmente de Santa Catarina, com um panorama das áreas com clima favorável para a araucária atualmente e onde estariam os possíveis refúgios para a espécie no futuro.

Nesta análise, os pesquisadores descobriram também que apenas 2,5% dos espaços de sobrevivência estão dentro de reservas ambientais protegidas — a maioria nos parques nacionais de São Joaquim e Aparados da Serra. O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, maior reserva natural do Estado, não contém nenhum microrrefúgio para as araucárias, segundo o estudo. Para evitar a extinção das árvores, ele cobra engajamento da sociedade:

É um fator chave que todas as pessoas, companhias e governos façam tudo que for possível para desacelerar e reduzir as mudanças climáticas, para as araucárias e todas as milhares de outras espécies e milhões de pessoas que as mudanças estão afetando. É importante para as araucárias manter os refúgios seguros, protegendo áreas e controlando bem as já protegidas. As árvores não estão condenadas, mas nós precisamos agir para ajudá-las a sobreviver e se regenerar se quisermos que os nossos netos cresçam amando essas árvores como nós fizemos.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total