nsc

publicidade

Violência

Assassinatos provocam medo no bairro Jardim Paraíso em Joinville

Números levam moradores a especular sobre lista de pessoas marcadas para morrer

19/02/2015 - 05h12 - Atualizada em: 19/02/2015 - 06h41

Compartilhe

Por Redação NSC
Polícia atendea ocorrência em 20 de janeiro, quando Douglas Pereira foi executado na obra em que trabalhava no Jardim Paraíso
Polícia atendea ocorrência em 20 de janeiro, quando Douglas Pereira foi executado na obra em que trabalhava no Jardim Paraíso
(Foto: )

No bar, no mercado, na esquina. Em qualquer lugar do bairro Jardim Paraíso, na zona Norte de Joinville, há moradores que já ouviram falar em uma lista de nomes marcados para morrer. Alguns falam em 20, outros, em 30.

Dos 21 homicídios registrados neste ano em Joinville, sete foram contra moradores do bairro - um terço dos casos. Cinco aconteceram dentro do Jardim Paraíso. Outros dois, que ocorreram na avenida Santos Dumont - uma das vias de acesso - são de moradores do bairro, confirma a polícia. Os homicídios deste ano já ultrapassaram as seis mortes do bairro em todo o ano passado.

>> Confira um raio X dos homicídios nos últimos quatro anos

A nova onda de mortes no Jardim Paraíso - que já foi assombrado pela violência no passado - tem causado insegurança entre os moradores.

- Eu tenho certeza de que estou livre dessa. Tem (lista), mas ninguém sabe quem é - disse em tom de brincadeira um dono de bar.

- Não é mentira, não. Se fosse mentira, você acha que morreria gente de graça? A gente vê de tudo, mas não pode nem falar - afirmou, com medo, outro morador.

Rogério Peixoto, 49, foi assassinado a tiros durante a madrugada na avenida Santos Dumont. Beivi Engelmann da Silva, 29, foi morto dentro do próprio carro, na Estrada Timbé, à luz do dia. José Felipe Bastos morreu com oito tiros na Santos Dumont. Efrain Josias Trindade, 19, foi morto na frente de casa com cinco disparos.

Douglas Pereira Narciso, 22, foi assassinado com cinco tiros, pela manhã, na obra em que trabalhava. O mototaxista Luciano Guimarães Meira, 37, foi executado com quatro tiros. Cesar Augusto do Espírito Santo Ilha, 57, foi encontrado morto na cabeceira da ponte pênsil perto do rio Cubatão.

O dono de um dos bares percebeu que as rodas de usuários de drogas nas ruas diminuíram após a onda de mortes. Ele também afirma que muita gente anda armada no bairro.

Uma comerciante comenta que teve o carro atingido por um tiro quando homens tentavam matar um vizinho dela. Pelo rombo no carro, ela supõe que seja de arma de grosso calibre. O rapaz conseguiu escapar com vida.

- Essas mortes assustam, né? Tem muita gente que não quer mais sair à noite. É por causa de droga - limitou-se a dizer outro morador.

O vice-presidente da Federação das Associações de Moradores, Luiz Alves Castanha, acredita que ações recentes da polícia podem frear as execuções. A última morte aconteceu há dez dias, em 9 de fevereiro.

- Existe essa preocupação. Com as operações, melhorou um pouco - avaliou.

Para polícia, tráfico está por trás

As especulações são muitas e as certezas são poucas. A existência de uma lista de nomes marcados para morrer no Jardim Paraíso não é confirmada pela Polícia Civil. O envolvimento de facções criminosas nas mortes também não.

Porém, a polícia confirma que os homicídios têm relação com o tráfico de drogas e que algumas mortes podem ser resultados de intrigas entre grupos de lados opostos. As investigações são conduzidas pelos delegados Luis Felipe Fuentes e Paulo Reis, da Divisão de Homicídios.

Fuentes avalia que as mortes ocorrem com mais frequência nos bairros mais afastados e normalmente são equiparadas entre zonas Norte e Sul.

- A metade deles (homicídios) é por envolvimento com o tráfico de drogas - reforça.

Esse envolvimento a que o delegado se refere abrange tanto a situação do usuário que comprou e não pagou pela droga quanto a briga pelo ponto de venda.

A reportagem de "A Notícia" apurou que pelo menos dois suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas foram presos recentemente em operações da Polícia Militar no Jardim Paraíso. Arma de fogo, drogas e colete balístico foram apreendidos durante as ações. Barreiras policiais que fazem parte de operações de segurança em toda a cidade também têm sido organizadas com frequência na região.

Bairro já teve "toque de recolher"

Nos últimos quatro anos, o bairro não registrou mais do que oito homicídios por ano. Nesse período, quem liderou a lista de assassinatos foi o Paranaguamirim, na zona Sul da cidade. Porém, o Jardim Paraíso ocupou a segunda posição em 2010, 2012 e 2014.

Ações policiais e sociais colaboraram para que o bairro perdesse a liderança nas estatísticas desde a última onda de violência, que ocorreu entre 2007 e 2008. Segundo levantamento de "A Notícia", pelo menos 21 pessoas foram mortas no Jardim Paraíso em 2007 e 16 em 2008. As mortes foram relacionadas a brigas entre gangues. Eram grupos de lados opostos que disputavam o tráfico de drogas.

Em 2004, o então delegado regional Marco Aurélio Marcucci chegou a decretar uma espécie de "toque de recolher". Uma portaria proibia o funcionamento dos bares após as 21 horas de segunda a sexta-feira e após as 23 horas nos fins de semana. Ele tentou fazer o mesmo enquanto era vereador em 2007, mas a proposta foi recusada pela maioria na Câmara.

Deixe seu comentário:

publicidade