nsc
santa

Homicídio

Assassino de empresário de Balneário Camboriú segue foragido 6 meses após o crime

Emerson dos Santos sumiu ao sair para negociar carro de luxo em Navegantes

19/05/2021 - 13h36

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Empresário tinha 29 anos
Empresário tinha 29 anos
(Foto: )

Seis meses depois do crime, o responsável pelo assassinato do empresário de Balneário Camboriú, Emerson dos Santos, 29 anos, continua solto. Foragido, o principal suspeito conhecia a vítima, com quem teria marcado um encontro para negociar um carro de luxo. Para a Polícia Civil, uma dívida motivou o homicídio.

> Inscreva-se e receba notícias pelo WhatsApp do Vale do Itajaí

> Principal suspeito de matar jovem empresário de Balneário Camboriú é considerado foragido

Emerson, que era sócio de uma construtora, sumiu após sair para negociar uma BMW X1, no dia 13 de novembro. Conforme investigações do delegado Rodrigo Coronha, a vítima foi até Navegantes com certa quantia em espécie para efetivar a troca de automóveis, deixou o carro próximo ao aeroporto e seguiu em outro veículo com dois homens. Eles teriam levado Emerson até uma casa em Meia Praia, em Itapema. Lá, mataram o empresário.

A perícia indicou que ele morreu por sufocamento, mas diversos hematomas comprovam também que Emerson foi agredido. A dupla então jogou o corpo em uma vala no município de Ilhota, próximo à BR-470, no Baú Baixo. O cadáver foi encontrado 10 dias depois e reconhecido por familiares.

Câmeras de segurança ajudaram o trabalho de Coronha e equipe. Uma pessoa chegou a ser presa logo após Emerson ser encontrado, mas foi liberada por não haver indícios de ligação com o crime. O dinheiro levado pelo empresário para a negociação não foi encontrado. Por isso, inicialmente, a polícia trabalhava com duas hipóteses: homicídio ou latrocínio, que é o roubo seguido de morte.

No entanto, o investigador descobriu que o principal suspeito devia cerca de R$ 200 mil a Emerson.

— Não temos certeza da quantia, mas da dívida sim. A conclusão do inquérito é de homicídio. Eles possuíam vários negócios (relacionados a venda e trocas de carros) — contou Coronha.

O homem que teria ajudado o principal responsável e mandante do crime, que estava junto quando Emerson foi pego próximo ao aeroporto, foi preso no mês passado. Logo depois, o inquérito foi enviado ao Ministério Público. Enquanto o processo caminha judicialmente, a polícia tenta encontrar o foragido.

Família e amigos, que antes pediram auxílio nas redes sociais para encontrar o empresário, hoje pedem por justiça.

Colunistas