nsc
dc

Crime bárbaro

Após ataque a creche em SC, ministro dá bíblias a famílias e Moisés planeja reforçar segurança em escolas

Milton Ribeiro, da Educação, e o governador visitaram Saudades, no Oeste de SC, nesta sexta-feira (14), 10 dias após assassinato de cinco pessoas

14/05/2021 - 17h44 - Atualizada em: 14/05/2021 - 18h43

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
creche em Saudades, SC
Creche em Saudades passa por reforma após ataque que causou cinco mortes
(Foto: )

Dez dias após o ataque a uma creche em Saudades, o Ministro da Educação, Milton Ribeiro, e o governador Carlos Moisés visitaram a cidade no Oeste de Santa Catarina. O crime bárbaro causou a morte de duas mulheres e três crianças. A passagem dos políticos nesta sexta-feira (14) foi marcada por uma reunião privada com as famílias das vítimas, em que Ribeiro distribuiu bíblias, e pelo anúncio de que em 40 dias devem ser contratados novos seguranças para escolas da rede estadual.

> Receba notícias de Santa Catarina por WhatsApp

> Ataque a creche em Saudades: como a polícia dos EUA ajudou SC nas investigações

Durante a reunião, que não foi aberta à imprensa, o ministro entregou os livros em forma de homenagem aos familiares das vítimas.

- Eu sei que as palavras não são suficientemente consoladoras como a presença de alguém. É por isso que vim e trouxe a palavra de Deus, entregando uma bíblia para cada família - destacou Milton Ribeiro. 

O ministro ainda disse que deve voltar à cidade para "trazer mais condições e equipamentos para que outras crianças possam ser beneficiadas", mas não explicou detalhes.

- Quando eu retornar, falaremos melhor sobre isso. Agora, não tenho condições - finalizou.

> "As crianças estão todas feridas", alertou vítima de ataque a creche em SC; ouça ligação aos bombeiros

Milton Ribeiro, ministro da Educação
Milton Ribeiro, ministro da Educação, esteve em Saudades nesta sexta-feira
(Foto: )

Em entrevista coletiva, o governador Carlos Moisés reiterou que a principal medida imediata adotada pelo Estado após o ataque à creche é o aumento do número de seguranças nas escolas da rede estadual de ensino.

Conforme Moisés, há prazo para que os profissionais sejam contratados e todas as 1060 escolas devem ser incluídas por meio de um aditivo ao chamamento público.

- Já estamos fazendo um aditivo e, em no máximo 40 dias, estaremos reforçando a segurança em todos os prédios escolares. O chamamento dos profissionais da saúde mental, que prestarão auxílio aos demais que já estão trabalhando de forma voluntária deverá ser finalizado antes. Entre 10 e 15 dias - explicou.

Moisés ainda acrescentou que considera importante fazer com que, em breve, as pessoas voltem a ter a sensação de segurança em Saudades:

- As pessoas daqui cuidam uns dos outros e vivem bem em cidades como esta. Então, temos que ter isso também como um ensinamento para que não volte a acontecer.

> Assassino usou rojões em ataque a creche em SC e planejou crime por 10 meses, revela polícia

Relembre o crime

O ataque a creche aconteceu no dia 4 de maio. O jovem de 18 anos invadiu a unidade Pró-Infância Aquarela por volta das 10h. Ele desferiu golpes contra cinco pessoas, entre elas quatro bebês menores de dois anos. Três deles morreram.

Além das crianças, a professora Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, e a agente educadora Mirla Renner, 20, também foram mortas. Os corpos das cinco vítimas foram velados juntos no Parque de Exposições Theobaldo Hermes na quarta-feira (5). O sepultamento aconteceu no cemitério municipal de Saudades.

O único sobrevivente do ataque é um bebê de 1 ano e 8 meses. Ele teve um dos pulmões perfurados e precisou ser submetido a uma cirurgia. No domingo (9), a criança teve alta hospitalar após cinco dias hospitalizada.

> Ataque a creche em Saudades foi inspirado em massacres no exterior, aponta investigação

Quem são as vítimas

- Keli Adriane Aniecevski, 30 anos, professora

- Mirla Renner, 20 anos, agente educacional

- Sarah Luiza Mahia Sehn, de 1 ano e 7 meses

- Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses

- Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses

*por Vinicius Rigo, especial

Leia mais:

> Funcionária de creche em Saudades lembra atentado: "Ele veio até minha direção calmo'

> É falso perfil que seria de autor do ataque a creche em SC com foto de Che Guevara e críticas a Bolsonaro

> Exame de sanidade mental para autor de ataque a creche em SC é negado pela Justiça

> Investigação de ataque a creche em SC trabalha para traçar perfil do autor: 'Rapaz problemático'

Colunistas