nsc
santa

publicidade

Sistema carcerário

Atrasam obras do Complexo Penitenciário do Médio Vale em Blumenau

Atualmente, o Presídio Regional de Blumenau tem 46 servidores e 1.168 detentos

04/11/2014 - 05h33 - Atualizada em: 04/11/2014 - 05h35

Compartilhe

Por Redação NSC
Local onde será construído o presidio reginal de Blumenau, na Rua Silvano Cândido da Silva, na Ponta Aguda
Local onde será construído o presidio reginal de Blumenau, na Rua Silvano Cândido da Silva, na Ponta Aguda
(Foto: )

Prevista inicialmente pelo secretário estadual de Justiça e Cidadania, Sady Beck Júnior, para começar em setembro, a construção do Complexo Penitenciário do Médio Vale ganhou novo prazo. A previsão é de que a obra, que atrasou devido a entraves burocráticos, inicie até o fim do mês.

::: Presídio Regional de Blumenau recebe agentes, mas segue em defasagem

::: Presídio Regional de Blumenau passará por reformas

No dia 22 de outubro, o Estado recebeu do Judiciário o documento de posse do terreno de 33 hectares localizado na Rua Silvano Cândido da Silva, na Ponta Aguda. A avaliação no valor de R$ 9,4 milhões foi feita pela Caixa Econômica Federal e o montante, depositado em juízo ao proprietário do terreno que tinha dívidas com o Fisco estadual.

Os próximos passos serão o encaminhamento do projeto executivo à prefeitura de Blumenau e a contratação da empresa que fará a obra. Paralelamente, uma comitiva da empresa contratada pelo governo do Estado responsável pelo Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) da obra esteve em Blumenau para conhecer melhor a região onde será construído o complexo. A expectativa é de que em 90 dias o documento seja entregue ao poder público para análise

- Eles pediram dados e estamos enviando-os gradualmente. Acho que não haverá nenhum entrave em relação aos estudos. Uma das questões levantadas sobre a cota de enchente já foi esclarecida, já que o Ceops confirmou que as águas do rio Itajaí-Açu não atingem o terreno - afirmou o secretário de Planejamento Urbano de Blumenau, Alexandre Gevaerd.

Unidade terá 600 vagas no regime fechado Após a análise do EIV, o governo do Estado vai convocar os moradores para uma audiência pública e só então a viabilização será deliberada pelo Conselho Municipal de Planejamento Urbano. Mas a ausência do estudo não será impeditivo para o início da obra, pois uma lei foi aprovada no município permitindo que obras iniciem concomitantemente ao EIV.

A primeira parte do complexo oferecerá 600 vagas para detentos do regime fechado. Após esta etapa, serão construídos o presídio e uma ala para apenados do regime semiaberto, com 350 e 240 vagas respectivamente.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Cotidiano

publicidade

Colunistas

    publicidade

    publicidade

    publicidade