Líderes da base governista fecharam um acordo nesta manhã para que seja preservado o texto original do projeto de lei que revê a política de desoneração da folha de pagamento. O objetivo é rejeitar os 26 destaques propostos até o momento. A sessão plenária para a retomada da votação acabou de ser reiniciada e os destaques simples já foram derrubados.

Continua depois da publicidade

O relator do projeto, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), disse que “dá para confiar” na união da base para garantir a aprovação da última proposta que integra o pacote de ajuste fiscal.

– Tendo esse acordo de procedimento, é possível concluir isso hoje – afirmou.

– Preservar a espinha dorsal do PL é o fundamental para o governo – completou o líder do governo, José Guimarães (PT-CE).

Picciani lembrou que seu relatório sofreu duas alterações: os itens que compõe a cesta básica não sofrerão alteração na alíquota de 1% e o setor calçadista foi incluído no grupo que terá reoneração parcial (1,5%) da alíquota. Segundo o peemedebista, o governo conseguirá recompor acima de R$ 10 bilhões, alcançando 80% do projeto original, que era de R$ 12,4 bilhões.

Continua depois da publicidade

Deputados aprovam texto-base do projeto que reduz desonerações

MP 672

Guimarães fez coro ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e defendeu também que a Medida Provisória 672, do salário mínimo caduque.

– Acho que é um bom caminho – comentou o petista.

Cunha pregou mais cedo que o governo “esqueça” a MP e não se esforce para concluí-la no Senado.

Câmara aprova emenda que aplica reajuste do mínimo a aposentadorias e pensões

Planalto recebeu com surpresa e preocupação derrota no texto da Previdência

O líder do governo disse que a aprovação da medida que estendeu o reajuste do salário mínimo aos aposentados é uma sinalização ruim para o mercado.

– Não foi razoável fazermos essa indexação, ela prejudica a lei permanente de reajuste do salário mínimo. É justo estabelecer a mesma regra para quem ganham muito mais que o salário mínimo? Teve aí uma dose de demagogia dos que apresentaram essa emenda – declarou.

Continua depois da publicidade

Picciani, que é líder do PMDB, também condenou a aprovação da emenda e disse que política de valorização do salário mínimo deve ser tratada em separado dos beneficiários da Previdência Social.

Senado pode votar nesta quinta MP que corrige tabela do Imposto de Renda

– Houve um equívoco na aprovação da medida ontem – resumiu.

*Estadão Conteúdo

Destaques do NSC Total