nsc
an

Violência contra criança

Bebê com suspeita de espancamento morre em Jaraguá do Sul

Segundo a Polícia Civil, a mãe e o padrasto foram ouvidos na delegacia, mas liberados

06/05/2016 - 04h58 - Atualizada em: 06/05/2016 - 07h48

Compartilhe

Por Redação NSC

Um bebê de dez meses morreu às 22h30 desta quinta-feira por suspeita de espancamento em Jaraguá do Sul. De acordo com a Polícia Militar, a testemunha que acionou a PM informou que teria visto o padrasto, de 30 anos, jogar a criança no chão durante uma discussão com a mãe, de 21 anos. O bebê foi socorrido pelo Samu e encaminhado ao Hospital Jaraguá, mas não resistiu.

Leia as últimas notícias sobre Joinville e região no AN.com.br

Para a polícia, o casal teria dito que a criança havia caído da cama, de aproximadamente um metro de altura. Mas, segundo a PM, os médicos responsáveis pelo atendimento realizaram exames de tomografia e raio X na criança e que os resultados não apresentavam trauma condizente com uma queda da cama.

O Hospital e Maternidade Jaraguá informou a criança deu entrada na unidade por volta das 20h30 com parada cardiorrespiratória. De acordo com a assessoria de imprensa, o bebê chegou entubado e, após os primeiros procedimentos, foi encaminhado à tomografia, porque o casal informou que o menino teria sofrido uma queda da cama.

Segundo o hospital, o exame não constatou nenhum trauma no crânio. A criança teve mais uma parada respiratória e foi encaminhada à UTI, onde não resistiu e morreu após todas as tentativas de reanimação.

De acordo com a Polícia Civil, a mãe e o padrasto foram conduzidos à delegacia para serem ouvidos, mas foram liberados em seguida. O médico legista fará autópsia da criança para apontar a verdadeira causa da morte.

O pai da criança conta que estava separado há cerca de quatro meses e que a ex-esposa morava do outro lado da cidade. Ele não tinha muito contato com o bebê porque não podia chegar perto da mulher, por conta de uma restrição da Justiça. O pai agora espera uma punição para quem cometeu o crime contra o filho.

- A única coisa que penso agora é que seja feita a Justiça e não deixem um bandido solto. Até quando a gente vai ver as pessoas fazendo isso com uma criança? - diz.

Colunistas