nsc
    an

    Notícia

    Ben Self: o homem que criou o Obama virtual

    Americano foi diretor de tecnologia do Partido Democrata na eleição em que a internet teve papel crucial

    21/05/2009 - 04h49

    Compartilhe

    Por Redação NSC

    A estratégia online do homem que hoje ocupa a presidência do Estados Unidos é, sem dúvida, o melhor cartão de visitas que o americano Ben Self, 32 anos, poderia ter. Sócio fundador da empresa Blue State Digital, ele atuou como diretor de tecnologia do Partido Democrata e supervisionou a exitosa campanha virtual de Barack Obama. Em Porto Alegre para participar de um evento que marcou os 10 anos da AG2, agência de comunicação digital, Self falou com Zero Hora. Confira os principais temas da entrevista:

    Rede de doações

    "Houve mais de US$ 500 milhões (o equivalente a R$ 1,01 bilhão) em doações online na campanha de Obama, vindas de mais 3,2 milhões de doadores, cada um dando uma média de menos de US$ 100. É uma maneira totalmente diferente de financiar uma campanha. Você faz isso convencendo as pessoas, dizendo a elas por que é importante. Você é honesto com elas, explicando que se precisa de muito dinheiro para organizar uma campanha política e que é necessária uma quantia ainda maior se você é um candidato azarão e tem muitas coisas para superar. Também explica para que o dinheiro delas será usado, como será utilizado e por que é importante. Você constrói uma relação com as pessoas e, à medida que isso ocorre, essas pessoas começam a confiar em você."

    A ideia de inovar

    "Eu acho que os responsáveis pela campanha sabiam, desde o início, que teriam de ser diferentes. Se voltarmos a 2007, Obama não era muito conhecido, era afro-americano, um senador de primeiro mandato por Illinois, com o sobrenome Hussein no meio, tinha vários fatores contra ele. E existiam adversários com redes tradicionais de arrecadação de dinheiro, montadas havia muitos, muitos anos."

    O diferencial

    "O que a campanha de Obama fez, particularmente bem, foi transformar aquela empolgação online em uma ação real significativa. Você precisa dar telefonemas, bater na porta das pessoas, falar com seus amigos e a família. Não basta apenas falar sobre o candidato online".

    A tecnologia no cenário brasileiro

    "Na verdade, o site é menos importante do que o seu programa de e-mails. Você usa o site para criar uma lista de e-mails e aí você se comunica com as pessoas por e-mail e essa é, de fato, a parte mais importante de uma campanha online. A lista do Obama tem mais de 13 milhões de pessoas. Somente uma pequena parte das doações veio de pessoas que estavam ocasionalmente visitando o site. A maioria veio das pessoas que forneceram seus e-mails."

    Nas eleições brasileiras

    A legislação eleitoral limita o uso da internet pelos políticos - durante a campanha, o candidato pode ter um único endereço na web (que pode ser um site ou até um perfil no Orkut).

    A eficiência aqui

    "Mesmo que nada mudasse na lei, ainda acho que a tecnologia seria muito útil na campanha de 2010. Poderia fazer a diferença para um candidato, porque, no final das contas, é sobre alcançar algumas pessoas para que elas falem com outras. Mesmo que a internet não alcance a todos no país, você ainda pode atingir uma parcela da população - que pode se transformar em voluntária e falar com outras pessoas."

    Políticos brasileiros

    "Nos encontramos com muita gente, mas não falo sobre clientes potenciais. Estou no Brasil para examinar as oportunidades. É um mercado muito interessante para nós, tem uma eleição importante vindo por aí (...)Mas também nos encontramos com algumas organizações não lucrativas importantes."

    Contato depois da eleição

    "Construir uma relação online não é muito diferente de construir uma relação offline. A maneira como você cria as conexões é fazendo as mesmas coisas que faria se conhecesse alguém pessoalmente. E isso inclui não parar de falar com essas pessoas depois de conseguir o que quer. Você deseja dar continuidade a esse relacionamento. É muito importante manter essa relação e continuar a construí-la."

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas