nsc
    santa

    VALE DO ITAJAÍ

    Blumenau soma 16 mortes de motociclistas neste ano; número é o maior desde 2014

    No total, a cidade registra 27 acidentes fatais em 2019

    04/11/2019 - 10h55

    Compartilhe

    Augusto
    Por Augusto Ittner
    Número corresponde a 59% das mortes registradas no ano em Blumenau.
    Número corresponde a 59% das mortes registradas no ano em Blumenau.
    (Foto: )

    A morte de Anael Fernandes Girardi, de 23 anos, na última semana, fez com que Blumenau somasse 16 vítimas fatais em acidentes envolvendo motociclistas só neste ano. O número é o maior desde 2014, quando 21 pessoas que pilotavam motos perderam a vida no perímetro urbano da cidade – que corresponde à área de atuação da Guarda Municipal de Trânsito (GMT).

    Proporcionalmente às mortes registradas em todo ano, o índice de acidentes fatais envolvendo motociclistas é o segundo maior da década: 59% dos óbitos que ocorreram na cidade, percentual inferior apenas ao de 2012, quando 23 das 35 mortes naquele ano foram de pessoas que estavam em motos – que corresponde a 65%.

    – O pior é que esse número é o dobro de mortes de motociclistas ou passageiros de motos em comparação ao ano passado. Quem morre são os mais jovens, que têm o perfil de pessoas que assumem mais riscos no trânsito e que usam o veículo não apenas para o trabalho, como para diversão – opina a especialista em trânsito, Márcia Pontes.

    ­
    (Foto: )

    Neste ano, Blumenau já soma 27 mortes no perímetro urbano. A última foi neste sábado, quando Amilton da Silva Porto, 65 anos, foi atropelado por volta das 21h na Rua Centenário, no Distrito do Garcia. Ele morreu no hospital. O condutor do carro que o atingiu tem 45 anos e estava embriagado, de acordo com a GMT. O bafômetro apontou 0,60 miligramas de álcool por litro de ar expelido.

    "É uma escarrada na cara da sociedade", diz especialista

    O motorista que atropelou o idoso foi preso, mas passou por uma audiência de custódia neste domingo (3) e foi solto por volta das 21h. Ele irá responder ao processo em liberdade. Para Márcia Pontes, a soltura de pessoas embriagadas que se envolvem em acidentes com morte é um “desaforo”:

    – É um tapa na cara da sociedade. Ou, melhor, não é um tapa. É uma escarrada. Estão escarrando na cara da sociedade. Isso passa a mensagem às pessoas de que beber e dirigir não dá nada. É algo como: “cuide-se você que está sóbrio, porque o bêbado que dirige e mata as pessoas é solto”.

    – Quando você mata alguém com arma de fogo, o que acontece? É preso. Quando você mata alguém com uma faca? É preso. Quando você mata alguém com uma tijolada na cabeça? É preso. Porque teve a intenção de matar. Aí o bêbado que dirige e mata eles dizem que não tem dolo, não tem intenção, porque não dava para prever. Oras! Se você está sóbrio e um pombo faz cocô no seu carro e você perde o controle e bate, isso sim não dava para prever. Mas se bebeu e dirigiu, você assumiu o risco. Aí é crime, é assassinato – completa a especialista em trânsito.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas