nsc
    nsc

    Registro em vídeo

    BM abre processo contra policial que esteve na casa de Bernardo em noite de briga

    Sindicância apurou que houve falha da guarnição por não ter sido feito o Boletim de Atendimento

    10/11/2014 - 09h13 - Atualizada em: 10/11/2014 - 12h06

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Bernardo e pai discutiam em vídeos gravados em casa
    Bernardo e pai discutiam em vídeos gravados em casa
    (Foto: )

    A Brigada Militar de Três Passos abriu Processo Administrativo Disciplinar (PAD) contra o policial militar que deixou de registrar ocorrência da noite em que esteve na casa do médico Leandro Boldrini, em agosto de 2013, para apurar uma denúncia de gritos na região.

    O atendimento ocorreu no dia em que o médico teve uma briga com o filho Bernardo Uglione Boldrini - registrada em vídeo com os gritos de socorro do menino.

    Bernardo foi morto em 4 de abril. Quatro pessoas estão presas pelo crime, entre elas, o pai e a madrasta do menino, Graciele Ugulini.

    Leia todas as últimas notícias de Zero Hora

    Confira as últimas notícias sobre o Caso Bernardo

    Uma sindicância feita pela BM e concluída em outubro apurou que a guarnição falhou por não ter feito um Boletim de Atendimento, procedimento obrigatório na corporação. A partir disso, foi aberto o processo contra o PM mais antigo da equipe, que seria o responsável por fazer o registro.

    Quando o vídeo da briga veio à tona, na primeira audiência judicial sobre a morte de Bernardo, a Brigada foi surpreendida pela informação de que PMs haviam estado no local naquela noite. Boldrini falou na gravação que havia brigadianos na frente da residência.

    Quando Zero Hora questionou a BM de Três Passos sobre como havia sido feito o atendimento, foi aberta a sindicância para identificar os PMs que atuaram no caso e as circunstâncias da ocorrência. A informação do comando do 7º Batalhão de Polícia Militar, no entanto, era de que o chamado foi anônimo e não referia problemas na residência de Boldrini.

    Conforme o major Diego Munari, a pessoa que ligou informou apenas sobre gritos na região da caixa d'água. A casa dos Boldrini fica na frente da sede da Corsan na cidade. Pela apuração feita na sindicância, os PMs abordaram "transeuntes" para saber sobre os gritos, e bateram na casa para falar com Boldrini.

    Segundo relato feito pelo PM na sindicância, o médico disse não ter ouvido nada. O PM contou ter visto na janela do segundo andar da casa uma mulher (Graciele Ugulini, mulher de Boldrini) segurando um bebê e um menino (Bernardo).

    A chegada dos PMs no local interrompeu uma intensa briga entre Bernardo, o pai e a madrasta. Naquele noite, o menino gritara por socorro mais de 30 vezes e se trancara em um armário implorando para não ser mais gravado.

    Assista aos vídeos:

    O major Munari explicou que foi descartada conduta que se enquadre em crime por parte dos PMs, sendo apontada apenas falha administrativa, do não-registro do atendimento.

    Ele disse também não poder dar mais detalhes da conclusão da sindicância pelo fato de o caso seguir em apuração no PAD. O resultado da apuração já foi enviado para a Justiça Militar. A BM não informou quem são os PMs que atenderam a ocorrência.

    Como teria ocorrido o crime:

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas