publicidade

Para "fazer justiça"

Bolsonaro critica auxílio-reclusão e promete rever regras

Presidente afirmou que benefício, pago a dependentes do segurado do INSS preso em regime fechado ou semiaberto, "ultrapassa o valor do salário mínimo"

04/01/2019 - 10h50

Compartilhe

Por Agência Brasil
O presidente eleito, Jair Bolsonaro
O presidente eleito, Jair Bolsonaro
(Foto: )

O presidente Jair Bolsonaro criticou, nesta sexta-feira (4), a forma atual de pagamento do auxílio-reclusão, concedido a famílias de detentos, e prometeu rever as regras para desinchar a máquina pública e "fazer justiça".

"O auxílio-reclusão ultrapassa o valor do salário mínimo. Em reunião com ministros, decidimos que avançaremos nesta questão jamais colocada em pauta quando se trata de reforma da Previdência e indevidos. Em cima de muitos detalhes vamos desinchando a máquina e fazendo justiça!", escreveu Bolsonaro.

O novo governo pretende focar em medidas que não dependem da aprovação do Legislativo antes de apresentar uma proposta de reforma da Previdência, e uma dessas medidas é a implementação de uma carência para que o segurado do INSS receba o auxílio-reclusão. A ideia é estipular uma exigência de 12 contribuições mensais – o que não existe hoje.

Quem tem direito ao auxílio-reclusão

O benefício é pago pelo INSS aos dependentes de uma pessoa que, na hora da prisão, estava empregada com carteira assinada, descontava contribuição para a Previdência e fosse de baixa renda (no máximo R$ 1.319 mensais). Só 6,5% das famílias de presos no Brasil recebem o benefício.

Deixe seu comentário:

publicidade