nsc

publicidade

Brasília

Bolsonaro mandou demitir Cintra porque discussão sobre nova CPMF "se tornou pública", diz Mourão

Marcos Cintra foi demitido do cargo de secretário da Receita Federal nesta quarta-feira 

11/09/2019 - 23h20

Compartilhe

Por Folhapress
Marcos Cintra estava no cargo desde janeiro
Marcos Cintra estava no cargo desde janeiro
(Foto: )

*Gustavo Uribe

O presidente interino, Hamilton Mourão, afirmou nesta quarta-feira (11) que a demissão do secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, foi uma decisão do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo o general da reserva, foi Bolsonaro quem transmitiu a ordem ao ministro da Economia, Paulo Guedes, após ter se incomodado com o fato da discussão sobre a criação de um imposto nos moldes da CPMF ter se tornado pública antes de uma decisão presidencial.

— Foi decisão do presidente (demissão de Cintra). (Foi) A questão do imposto de transição financeira que o presidente Bolsonaro não tem nenhuma decisão a esse respeito e ele acha que a discussão se tornou pública demais antes de passar por ele — disse.

Nesta quarta-feira (11), Bolsonaro e Guedes se falaram pelo telefone para definir a exoneração. Antes da ligação, o ministro almoçou com Mourão. No encontro, ele demonstrou angústia com a situação de Cintra.

— Ele compartilhou essa angústia com essa situação e disse: "Vamos aguardar a decisão do presidente". Aí veio a decisão do presidente — contou Mourão. — O ministro Guedes cumpre as orientações do presidente — acrescentou.

Mourão ressaltou que Bolsonaro não gostou da repercussão que uma eventual criação do tributo teve nas redes sociais e afirmou que o presidente "não é fã desse imposto". Em mensagem, Bolsonaro disse que o aumento da carga de impostos não fará parte de sua reforma tributária.

Cintra foi demitido nesta quarta-feira (11) por Guedes após a equipe da Receita Federal ter anunciado a possibilidade de criação do tributo, o que era considerado uma possibilidade por Bolsonaro.

O tema foi criticado no Congresso Nacional e atacado por eleitores do presidente que, lembraram nas redes sociais, que ele havia garantido na campanha eleitoral que não haveria aumento da carga tributária em sua gestão.

Após a pressão, Bolsonaro se queixou sobre o assunto com ministros da área política e avaliou que um afastamento de Cintra, o que já era cogitado pelo presidente desde o mês passado, seria uma forma de encerrar o assunto.

Nos últimos 12 meses, Bolsonaro negou diversas vezes os planos de criar um tributo sobre movimentações financeiras nos moldes da antiga CPMF. O imposto é defendido por Guedes e Cintra desde as eleições do ano passado.

Leia também

Guedes sinaliza onda de privatizações; Moisés adota cautela em Santa Catarina

Coaf relata movimentação atípica de R$ 2,5 milhões em conta de David Miranda

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade