nsc

publicidade

TRANSMISSÃO EM REDES SOCIAIS 

Bolsonaro quer barrar implantação da placa do Mercosul em carros brasileiros 

Sem dar detalhes ou anunciar datas, presidente disse que não há benefícios com o novo modelo de identificação veicular 

15/03/2019 - 06h33

Compartilhe

Por GaúchaZH
(Foto: )

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, na noite desta quinta-feira (14), que o governo estuda medidas legais para barrar a instalação da placa padrão Mercosul nos carros brasileiros. Em uma transmissão ao vivo em sua página pessoal no Facebook, ele afirmou não identificar benefícios à população com o novo modelo de identificação veicular.

– Vamos ver se a gente consegue anular essa placa do Mercosul. Não traz benefício para o Brasil essa placa. É um constrangimento. Uma despesa a mais para a população.

O novo modelo de placas, que começou a ser instalado no ano passado em diversos estados do país é alvo de críticas pelo valor, no mínimo R$ 250, e por não trazer a cidade de registro do carro. No entanto, nenhum prazo foi definido para o anúncio de mudanças no emplacamento veicular. Em Santa Catarina, as placas nem chegaram a ser instaladas.

O presidente ainda relatou que o novo modelo de passaporte brasileiro, que trará o Brasão da República na capa, já está pronto e começará a ser utilizado nas próximas semanas. Atualmente, o documento traz o símbolo do Mercosul em destaque. Ao lado de Bolsonaro na transmissão, o chanceler Ernesto Araújo confirmou a informação.

– Está dentro da programação para os primeiros 100 dias de governo. Já está pronto. O brasão voltará para orgulho dos brasileiros.

Araújo também falou sobre a viagem que o presidente fará aos Estados Unidos, com embarque previsto para o próximo domingo (17). Entre os acordos que serão firmados, está o que envolve a Base de Alcântara, no Maranhão. Uma parceria será selada para que satélites americanos possam ser lançados do local. Bolsonaro será recebido na Casa Branca pelo presidente Donald Trump. Também pode ser pauta do encontro o fim da exigência de visto para turistas dos EUA.

Em março, o presidente ainda irá para Chile e Israel. No segundo semestre, irá visitar a China, maior parceiro econômico brasileiro.

A transmissão, de cerca de 15 minutos, contou ainda com a presença do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Ele confirmou que a campanha de vacinação contra a gripe será iniciada em Amazonas, devido a um surto que já causou mortes no Estado. As doses deverão chegar até o início da próxima semana. Nas demais regiões, a imunização começa em abril.

Bolsonaro prestou condolências às famílias das vítimas do atentado contra a escola Raul Brasil, em Suzano, São Paulo, afirmando que o governo “fará o possível para evitar” novos casos, repetindo o que havia postado nesta quarta-feira (13) no Twitter.

Também não poupou a imprensa, criticando uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo que liga sua contrariedade à importação de banana do Equador a benefícios a membros de sua família que moram no Vale do Ribeiro, no interior paulista. Segundo ele, a reclamação quanto à compra da fruta equatoriana é pelo alto custo devido ao transporte e por eventuais falhas sanitárias.

Deixe seu comentário:

publicidade