nsc
    dc

    Biodiversidade

    Botsuana busca solução para preservar animais em extinção

    24/03/2015 - 18h11 - Atualizada em: 22/10/2015 - 17h35

    Compartilhe

    Por Redação NSC

    A luta contra o tráfico de espécies protegidas, que ameaça a biodiversidade e também nutre organizações criminosas, será discutida numa conferência mundial que começa nesta quarta-feira em Kasane, Botsuana.

    A conferência deve fazer um balanço das metas estabelecidas em 2014 pelos 46 países que assinaram a "Declaração de Londres sobre o comércio ilegal de animais silvestres", na primeira reunião mundial sobre o assunto.

    Os especialistas concordam que a destruição de habitats naturais, em particular o desmatamento, é a principal causa de extinção de espécies, à frente das mudanças climáticas e da poluição.

    Em seguida, vem o tráfico de espécies protegidas, tema da conferência de Kasane.

    - As espécies nunca estiveram tão ameaçadas como agora, com uma taxa de extinção de 100 a mil vezes superior ao ritmo natural - alertou o diretor-geral da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN), uma das ONGs associadas à Declaração de Londres.

    - O ser humano é responsável - acrescentou.

    Várias espécies emblemáticas, como o rinoceronte, o elefante ou o tigre são vítimas principalmente do tráfico internacional.

    Mas milhares de espécies, como tartarugas marinhas e plantas raras ou árvores de madeiras preciosas, também são dizimadas pela caça ilegal e extração ilegal de madeira.

    Além de causar danos irreparáveis à biodiversidade, o comércio ilegal de espécies protegidas alimenta máfias ou grupos armados em todo o mundo.

    Este comércio representa US$ 19 bilhões por ano.

    - O crime organizado está envolvido em grande escala - afirmou Carlos Drews, diretor do programa mundial para espécies protegidas do Fundo Mundial para a Natureza (WWW).

    - O tráfico de animais silvestres tornou-se uma ameaça não só para animais emblemáticos, mas também para a segurança regional, o Estado de direito, o desenvolvimento sustentável e a prosperidade das comunidades locais - acrescenta Drews.

    Grupos armados em várias partes da África são financiados pelo comércio de marfim, dizem especialistas em caça ilegal de elefantes.

    - A Declaração de Londres virou a maré na luta contra este tipo de crime. Em Kasane, os países podem reforçar os compromissos de Londres e outras medidas - comemorou Heather Sohl, especialista em espécies em perigo da WWF.

    - Mas não o suficiente para conter a caça ilegal, os países também devem fazer mais para reduzir a demanda por produtos provenientes do tráfico ilegal.

    A conferência de Kasane estudará várias medidas, incluindo a redução da procura por parte dos consumidores, particularmente na China.

    Eles estudam também reforçar a fiscalização contra caçadores ilegais e traficantes, melhorando a cooperação entre os estados e combatendo este crime como se luta contra o terrorismo.

    A conferência também buscará que os países onde a caça é praticada se engajem mais na luta contra o tráfico e tirem benefícios dessa luta, em particular no desenvolvimento do turismo.

    - Os governos progrediram na luta contra o tráfico de espécies desde a Conferência de Londres - disse Sabri Zain, diretor da TRAFFIC, uma rede de monitoramento de comércio ilegal de fauna e flora silvestres.

    - Mas são necessários mais recursos e medidas para garantir que a vontade se traduza em melhorias tangíveis no terreno - acrescentou Sabri Zain.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas