nsc

publicidade

Diversão saudável

Brincadeiras "das antigas" trazem benefícios para a saúde das crianças

Simples e divertidas, atividades de rua e que envolvem atividade física são as mais recomendadas

07/10/2013 - 15h26 - Atualizada em: 07/10/2013 - 15h29

Compartilhe

Por Redação NSC

Para o Dia das Crianças (12 de outubro), além das merecidas homenagens, vale a pena investir um tempo no incentivo às práticas saudáveis para os pequenos. De forma simples e divertida, algumas brincadeiras, poucos usuais nos dias de hoje, podem ajudar no desenvolvimento de toda e qualquer criança. Pensando nisso, o pediatra Sylvio Renan Monteiro de Barros, da clínica MBA Pediatria, resgatou algumas delas para fazer um alerta sobre a importância de algumas brincadeiras que propiciam queima de calorias, desenvolvimento motor e cognitivo e, claro, uma boa dose de saúde.

"Na minha geração (talvez a sua também), a verdadeira essência da infância estava nas brincadeiras de rua, ou no quintal de casa. A diversão era juntar os amigos, sem perceber a hora passar. Brincar de pular amarelinha, pular corda, a dança das cadeiras, queimada, entre outras, foram responsáveis por boas risadas", relembra o pediatra. "E o melhor: não era preciso dinheiro para ter essas e outras atividades a toda hora e à disposição de qualquer um", completa Sylvio Renan, que tem mais de 30 anos de atuação em pediatria, é membro da Sociedade Brasileira de Pediatria e tem especialização na especialidade pela UCLA (University of California, Los Angeles, EUA).

Autor do Blog do Pediatra e do livro "Seu bebê em perguntas e respostas - Do nascimento aos 12 meses", Sylvio Renan explica que eram brincadeiras baratas para o bolso dos pais e, ao mesmo tempo, simples e capazes de trazer muitos benefícios para a saúde, o crescimento e o desenvolvimento das crianças que as praticavam. Por isso, ele questiona: por que não resgatar essas brincadeiras e inseri-las entre as crianças de hoje?

Não é novidade que os pequenos da nova geração se interessam mais por brinquedos modernos e tecnológicos. Eles estão cada vez mais conectados aos videogames, smartphones, computadores e similares. Apesar disso, o médico ressalta que os pais não devem proibir seus filhos a usarem aparelhos eletrônicos, mas que, como sugestão, incentivem o uso de videogames com sensores de movimento, que fazem com que o jogador se movimente para cumprir as tarefas da brincadeira, em vez de apenas apertar os botões dos controles.

Entretanto, Sylvio Renan reforça que os benefícios das brincadeiras da "velha infância" devem e podem ser revividos no dia a dia das crianças do século XXI. "Pular amarelinha, pular corda, jogos de queimada, futebol, handball e dança da cadeira, são alguns exemplos de brincadeiras de intensa atividade física, que contribuem na queima de calorias e para a saúde e desenvolvimento dos pequenos".

Através dessas brincadeiras, a criança é estimulada a desenvolver o equilíbrio, a coordenação neuromotora e rítmica, o raciocínio lógico e ainda a sociabilidade e a competitividade saudável. (veja aqui um infográfico sobre essas atividades).

Para que isso se torne realidade, nada melhor que o incentivo e o exemplo para fazê-las praticar essas atividades. Uma dica é reunir a família para brincar. "Além de estimular seu filho, esta será uma oportunidade para dividir boas risadas e curtir bons momentos, e ainda uma maneira de fortalecer os laços familiares. E tudo isso são coisas extremamente saudáveis, para os pais e para as crianças", aconselha Sylvio Renan.

Dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros:

O Dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros é autor do livro "Seu bebê em perguntas e respostas - Do nascimento aos 12 meses". Formado pela Faculdade de Medicina do ABC, tem especializações e títulos pela Unifesp/EPM, Sociedade Brasileira de Pediatria e General Pediatric Service da University of California - Los Angeles (Ucla). Sylvio Renan atuou por quase 30 anos no Pronto Socorro Infantil Sabará e foi diretor técnico do Hospital São Leopoldo, cargo que deixou para se dedicar ao seu consultório, a MBA Pediatria, e à literatura médica para leigos.

Deixe seu comentário:

publicidade