nsc

publicidade

Laura Coutinho 

Caçador de beldades: catarinense Dando Baumgartner comanda a carreira dos principais modelos brasileiros

12/11/2016 - 11h20

Compartilhe

Por Redação NSC

A história do itajaiense Anderson Baumgartner, 39 anos, daria um filme daqueles com todos os elementos necessários ao sucesso: drama, comédia, aventura e superação. Desde que saiu de Itajaí, há quase 20 anos, e até se tornar o dono de uma das agências de modelos mais importantes da América Latina, que revelou talentos como Carol Trentini, Alessandra Ambrósio e Marlon Teixeira, Dando, como é conhecido o amoroso tio de Bento e Benoah, filhos de Carol com o fotógrafo Fabio Bartelt, irmão de Anderson, passou por poucas e boas. Hoje, seu ofício está resumido na biografia do Instagram: ¿Meu trabalho? Fazer super models!!!¿

E assim mesmo, com três exclamações, sempre falante e alto astral, Anderson conversou com a coluna durante a conferência O Negócio da Moda, na qual dividiu o palco com o também brilhante irmão Fabio. Aqui, os highlights do divertido papo.

(Foto: )

Supermodels effect

Tudo começou com as supermodels quando eu tinha 15 anos. Eu amava Cindy Crawford, Linda Evangelista e Naomi Campbell. Eu colecionava fotos delas e queria aquele glamour para minha vida. Aí eu comecei a trabalhar como voluntário em agência de modelos de Itajaí.

Vá para São Paulo

Em 1996, através de um fotógrafo descobri que ia ter o primeiro São Paulo Fashion Week, que se chamava Morumbi Fashion. Consegui o telefone da assessoria e disse que nós tínhamos uma revista aqui em Santa Catarina para ter acesso aos desfiles, só que ela me pediu por fax a capa da revista. Eu inventei uma publicação chamada Perfil, um amigo diagramou , mandamos e conseguimos cinco credenciais. Fomos (ele e o irmão, Fábio Bartelt) com a ajuda de uma amiga ( Zizi Graff, empresária de moda de Itajaí) pois não tínhamos nem o dinheiro da passagem. Lá eu tive a certeza do que eu queria: ser booker. Em 1998, já aos 20 anos, trabalhando de graça em agência de modelos em Itajaí, cheguei a conclusão que não dava para continuar nessa ilusão, não tinha retorno financeiro e nossa família classe média não podia nos bancar nesse sonho. Até que uma grande amiga me mandou um envelope de presente. Dentro tinha R$ 250 e estava escrito vá para São Paulo. Fui e fiquei hospedado na casa da Daniela Cidral, modelo de Itajaí que tínhamos inscrito no Elite Model Look. Queria trabalhar na Elite, mas não tinha vaga. Até que uma noite, num jantar com Zeca de Abreu, meu atual sócio na Way, ele me chamou para trabalhar numa agência francesa que estava abrindo no Brasil. Entrei na Marilyn e fiquei lá nove anos. Passei de assistente para booker e depois diretor, até que resolvi abrir a minha agência.

Way

Tenho muitos orgulhos nessa trajetória: o principal é nunca ter deixado de ser quem eu sou, simples e honesto. Uma vez, no início, disseram que eu era muito bonzinho, que eu deveria ser mais malicioso para me dar bem nesse meio. Eu respondi que não mudaria, que se o mercado não me aceitasse assim, então eu cairia fora. Deu certo. Entre os modelos, tenho dois grandes orgulhos. Um deles é Carol Trentini, uma das maiores modelos do mundo, com uma carreira brilhante. Muitas modelos tem um momento que viram baladeiras, loucas ou desfocadas, mas ela nunca. Sempre trabalhou muito. E o Marlon Teixeira, que conheci quando ele tinha três anos porque sou amigo das tias dele, e fui depois, quando ele tinha 15. Lembro do momento exato quando o vi: estava chegando em um restaurante e vi ele sentado. Fiquei rezando para que fosse alto e quando ele levantou para me cumprimentar, ufa! Levei ele para São Paulo comigo, mas tive que insistir porque ele não queria. Marlon também tem uma careira brilhante. Sempre digo que ele tá pronto, vende ele mesmo, não precisa de preparação. E ele trouxe essa estética saúde para o mercado internacional.

Paixão por SC

Sou peixeiro e tenho muito orgulho disso. No inicio, nós não tínhamos dinheiro nem para vir visitar a família, vínhamos muito pouco. Com o passar do tempo começamos a vir com muito mais frequência. Temos uma relação muito forte com o Estado, o Fabio e a Carol casaram aqui na Matriz de Itajaí, tem casa em Balneário Camboriú. Eu recentemente também conquistei meu apartamento aqui e a ideia é vir cada vez mais. O desejo é que os meninos (os sobrinhos Bento e Benoah) cresçam como nós: com os pé na areia.

O Diabo veste Prada

Eu queria muito conhecer a Anna Wintour (editora da Vogue Americana, uma das jornalistas de moda mais respeitadas e temidas do mundo). Vi ela pela primeira vez numa semana de moda fora do Brasil acompanhando a Carol Trentini. Ela passou por nós entrando na sala de desfiles e nem olhou na nossa cara. Aí encontrei uma repórter amiga, a Alexandre Farah, que me contou que tinha que fazer uma foto dela para o site Chic mas que o segurança dela tinha proibido. Eu falei: deixa que eu vou. Fui até ela na primeira fila e perguntei: Anna, posso fazer uma foto sua? E ela, bem mal-humorada, falou: claro. Mas na época não tinha celular para fazer a foto, era uma câmera com um flash que levava um tempo para carregar. E eu ali, esperando com a câmera na cara, e ela parada, séria, esperando. Até que baixei a câmera e disse: ¿Im from Brazil¿ e ela: ¿nice¿ e sorriu. Bem na hora o flash carregou e ela saiu sorrindo para a minha foto. Até hoje todo mundo comenta que só eu tenho uma foto dela sorrindo. Ela só gosta da Carol, gente (risos).

Deixe seu comentário:

publicidade