nsc
dc

Operação

Carnaval tem mais homicídios e menos crimes contra o patrimônio em SC 

Autoridades reconhecem que o dado desperta preocupação, mas destacam que nenhum dos homicídios ocorreu em eventos diretamente ligados ao Carnaval

06/03/2019 - 16h27 - Atualizada em: 06/03/2019 - 19h04

Compartilhe

Por Roelton Maciel
Comemoração Carnaval
(Foto: )

Menos ações contra o patrimônio e mais crimes contra a vida. Esse foi o balanço comparativo das ocorrências atendidas pelas forças de segurança do Estado no Carnaval deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Houve queda de 50,8% nas práticas de assalto e redução de 55% nos furtos, que é quando o crime ocorre sem ameaça ou violência contra a vítima.

Por outro lado, as estatísticas de assassinatos cresceram 66,7%, com ocorrências concentradas entre segunda e terça-feira, nos últimos dias do Carnaval. Foram 15 mortes neste ano contra 9 registradas em 2018.

As autoridades da segurança reconhecem que o dado desperta preocupação, mas destacam que nenhum dos homicídios ocorreu em eventos diretamente ligados ao Carnaval.

— Estamos trabalhando na busca da autoria daqueles casos que não estão identificados e também a motivação destes homicídios, haja vista que a ligação com o crime organizado, com a dívida de substâncias entorpecentes por parte de usuários, isto tudo será buscado agora durante o curso da instrução dos inquéritos policiais. Felizmente, todas essas mortes foram em locais diversos àqueles onde ocorriam os festejos de Carnaval — aponta o delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Koerich.

Incidentes serão analisados, diz secretário

O secretário de Segurança e comandante-geral da Polícia Militar, coronel Araújo Gomes, destacou que a mobilização policial garantiu a proteção do público em 200 eventos nos últimos dias, alcançando até 2 milhões de catarinenses.

Na avaliação de Araújo, a "Operação Alegria" foi bem-sucedida, apesar dos incidentes envolvendo policiais das tropas e foliões no Centro de Florianópolis. Ações da PM foram contestadas com relatos de uso desproporcional e excessivo da força nas noites de sexta-feira e de sábado. Segundo o secretário, os episódios serão analisados para apurar condutas e garantir providências futuras.

— Nossa análise segue um critério de três fatores. A primeira é o ambiente físico, vamos analisar o layout da operação, da área central da festa. O segundo diz respeito ao público, de que maneira podemos orientar melhor para que não chegue a esse comportamento de depredação, de violência interpessoal. E a própria conduta da Polícia Militar, de que maneira ela pode ser efetiva nos estágios iniciais do escalonamento da força para que esse nível de intervenção não seja mais necessário —pontuou.

Ainda conforme o secretário, a recente compra de câmeras corporais que serão fixadas nos uniformes dos policiais poderá esclarecer ações como essas em situações semelhantes. A empresa escolhida na licitação tem prazo de 90 dias para entregar os equipamentos.

Sem mortes nas rodovias estaduais

As rodovias estaduais de Santa Catarina não tiveram mortes no período do Carnaval. Segundo a Polícia Militar Rodoviária, é a primeira vez em uma década e meia que nenhuma ocorrência fatal é atendida nessa época do ano. Em 2018, a corporação havia registrado duas mortes.

— Houve uma grande mudança de postura. Nós passamos a abordar mais, tanto que aumentamos os flagrantes de embriaguez ao volante. Fizemos um grande remanejamento de efetivo para aqueles locais de grande concentração de público para que pudéssemos atender a demanda. Finalizar a operação com zero mortes significa que todas as estratégias que adotamos funcionaram — destaca o comandante-geral da PMRv, Evaldo Hoffmann.

Estatísticas (01/03 a 06/03)

(Foto: )
(Foto: )
(Foto: )

Colunistas