nsc
    dc

    Até que a morte os separe?

    Casamentos duram em média 15 anos em SC, aponta IBGE

    Pesquisa do IBGE mostra que a proporção é de um divórcio a cada três casamentos no Estado

    31/10/2018 - 16h19

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    Em média, os casamentos em Santa Catarina costumam durar 15,3 anos. O número representa uma queda significativa em relação a 2007, quando as uniões costumavam durar 18,5 anos no Estado. Os dados fazem parte da pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2017, divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE.

    No Brasil também houve redução na duração dos casamentos. Em 2007, a média de duração de um casamento civil poderia ser estimada em 17 anos. Dez anos depois, o tempo médio entre a data do casamento e a data da sentença ou escritura do divórcio caiu para 14 anos no país.

    Cresce número de casamentos e cai o de divórcios em SC

    A taxa de nupcialidade legal dá uma dimensão do número de registros de casamentos em relação à população em idade de casar, ou seja, de 15 anos ou mais de idade. No Brasil, para cada mil habitantes em idade de casar, em média, 6,6 pessoas se uniram por meio do casamento legal em 2017. Em Santa Catarina, essa taxa é um pouco menor: 6,06.

    As Regiões Norte, Nordeste e Sul registraram taxas médias em torno de 6 casamentos por mil habitantes. No Sudeste e Centro-Oeste os níveis foram maiores, em torno de 7,5.

    A pesquisa mostra ainda que SC oficializou em 2017 34.098 casamentos no total, o que representa um aumento de 3,1% na comparação com o ano anterior. Além disso, na mesma proporção (3,1%) foi a queda no número de divórcios no Estado em 2017 na comparação com 2016. No ano passado, foram 12.946 divórcios em SC. Isso significa, que para cada quase três casamentos foi registrado um divórcio no Estado. SC contabiliza 2,49 divórcios para cada mil catarinenses com 20 anos de idade ou mais.

    Sobre a pesquisa

    A pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2017 reúne dados sobre o número de brasileiros nascidos vivos, de casamentos, óbitos e óbitos fetais remetidos anualmente ao IBGE por cartórios de registro civil e pelas varas de família, foros, varas cíveis e tabelionatos de notas de todo o país.

    Leia também:

    Brasil registra queda no número de casamentos e aumento de divórcios em 2016

    Colunistas