nsc
    dc

    Encare a Crise

    Cautela ao usar FGTS para empréstimo consignado

    Especialistas chamam a atenção para os riscos de apostar nessa alternativa de crédito e abdicar de uma poupança valiosa

    31/07/2016 - 23h04 - Atualizada em: 21/06/2019 - 22h45

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    O sinal verde para que o trabalhador use 10% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), além de 100% da multa por demissão sem justa causa, para tomar crédito consignado deve ser recebido com cautela. Conforme economistas e especialistas em finanças pessoais, abdicar de uma poupança valiosa para momentos de emergência pode ser um tiro no pé, em particular quando o desemprego segue em alta e a economia, patinando.

    Confira outras reportagens da série Encare a crise

    Sine oferece novas vagas em Porto Alegre

    – Muitos trabalhadores não percebem que o FGTS é uma garantia para o futuro. Se banalizar essa opção de crédito e utilizá-la para consumo, poderá faltar para cobrir necessidades na aposentaria ou em caso de demissão – afirma Reinaldo Domingos, presidente Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin).

    A medida, proposta pela equipe econômica da presidente afastada Dilma Rousseff, foi aprovada pelo Congresso no último dia 15 e deve começar a vigorar em setembro, quando for regulamentado o número máximo de parcelas e as taxas de juros a serem cobradas. Domingos avalia que, em vez de estimular a economia pela via do consumo, como pretende o governo, a mudança traz o risco de prejudicar o trabalhador, pois irá comprometer uma fatia de seu salário com as parcelas:

    – Esse crédito pode aumentar ainda mais os altos índices de endividamento da população.

    A vantagem do consignado é que os juros são menores do que os empréstimos pessoais, admite o educador financeiro. O empréstimo pessoal em bancos tem juro anual de 73%, quase três vezes acima dos consignados, que costumam girar de 20% a 30% ao ano.

    O FGTS continua sendo uma das principais salvaguardas para quem é demitido até que encontre um novo emprego, principalmente após o endurecimento das regras para o seguro-desemprego.

    Conforme o Instituto Fundo Devido ao Trabalhador, ONG que trabalha com cálculos e projeções do FGTS, em 2014, foram demitidos sem justa causa 20,4 milhões de trabalhadores no país, que sacaram R$ 54,3 bilhões do FGTS. Segundo Mário Avelino, presidente do Instituto, se todos os trabalhadores pegassem o consignado recém aprovado, só no FGTS os bancos sacariam R$ 20 bilhões, além de levar mais 30% do valor das rescisões.

    – A medida é muito boa para os bancos, mas pode ser uma armadilha para o trabalhador. Não se deve usar pra consumo uma reserva que poderia servir para a compra de um imóvel ou tratamento de saúde – avalia.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas