nsc
    dc

    Falta de quórum

    CCJ tem reunião cancelada e reabertura de repatriação fica para próxima semana

    É possível que texto vá diretamente para votação em plenário, para agilizar prazos, ou que a votação aconteça na CCJ e em plenário no mesmo dia

    16/11/2016 - 10h37 - Atualizada em: 21/06/2019 - 22h19

    Compartilhe

    Por Estadão Conteúdo

    O relatório sobre o projeto que reabre o programa de repatriação de recursos de brasileiros no Exterior não foi apresentado, nesta quarta-feira, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Sem quórum, a reunião do colegiado foi cancelada.

    A relatoria do projeto foi oficialmente distribuída para o presidente da comissão, José Maranhão (PMDB-PB). O senador ainda não havia chegado a Brasília nesta quarta. Segundo sua assessoria, ele apresentará o relatório na próxima semana.

    Leia mais

    Estados conseguem bloquear no STF recursos do programa de repatriação

    Governadores pedem mais dinheiro da repatriação

    Arrecadação da repatriação tem inadimplência de R$ 4,1 bilhões, informa Receita

    O senador Romero Jucá (PMDB-RR), que foi anunciado como relator, deve assumir a matéria quando ela chegar ao plenário. É possível que o texto vá diretamente para votação em plenário, para agilizar prazos, ou que a votação aconteça na CCJ e em plenário no mesmo dia na próxima semana.

    Emendas

    O projeto que reabre o prazo do programa de repatriação já conta com quatro emendas. Uma delas, apresentada pelo senador Eduardo Braga (PMDB-AM), limita o período de adesão de 1º de fevereiro a 10 de março de 2017. A mudança foi acertada após pedido do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, para encurtar o prazo, inicialmente fixado até 30 de junho do ano que vem.

    Braga argumenta, na justificativa da emenda, que o prazo original é "excessivo", por isso a necessidade de ajuste. O senador também destacou que o governo precisa apresentar o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 1º bimestre até o dia 22 de março, documento que trará estimativas atualizadas para o Orçamento federal.

    — Desta forma é importante que o prazo de adesão à Lei de Repatriação de recursos se dê antes da elaboração deste Relatório, permitindo desta forma ao governo contar nas suas projeções como essa arrecadação. Isto permitirá uma programação orçamentária e financeira mais realista e permitirá que o governo tenha um melhor planejamento da execução orçamentária para 2017 — disse Braga.

    A possibilidade de incorporação dos valores arrecadados na repatriação ao relatório já havia sido defendida pelo ministro do Planejamento quando, em 9 de novembro, se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), principal patrocinador da nova edição da repatriação.

    Já o senador Eduardo Amorim (PSC-SE) apresentou emenda para compartilhar o valor da multa com Estados e municípios, nas mesmas proporções da divisão que já ocorre com o imposto de renda, via fundos de participação. Na primeira edição da repatriação, encerrada no fim de outubro, os entes só tiveram direito a parte do IR. Os Estados, por sua vez, recorreram ao Supremo Tribunal Federal (STF) para reivindicar parcela da multa e obtiveram liminar favorável.

    O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) também apresentou emenda para repartir o valor da multa, prevendo que a União entregará 49% do montante a Estados, Distrito Federal e municípios, nas proporções previstas aos fundos de participação. Outra emenda pretende assegurar que 15% do valor da multa seja direcionado para o Fundo Nacional da Saúde, e que 18% vá para o Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE).

    Foro privilegiado

    Outras matérias polêmicas não foram apreciadas com o cancelamento da reunião desta quarta. Também constavam na pauta da CCJ o projeto que extingue o foro privilegiado e a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que legaliza a vaquejada.

    *Estadão Conteúdo

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas