A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza divulgou dados do último censo internacional de papagaios-de-peito-roxo (Amazona vinacea), que registrou 3.920 aves. A ave pode ser encontrada em três países da América Latina: no Brasil, na Argentina (Missiones) e no sudeste do Paraguai. Foram realizadas contagens em todos os Estados onde a espécie ocorre, de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, além dos países vizinhos.

Continua depois da publicidade

Reintrodução de papagaio extinto em Santa Catarina recebe prêmio de biodiversidade da América Latina

Conheça ações em SC que fazem a diferença para o meio ambiente

O censo constatou que 93% da população da espécie está no território brasileiro e, desse total, 60% encontra-se em Santa Catarina. O Estado mantém quase um terço do remanescente de Floresta com Araucárias, ecossistema da Mata Atlântica que é o habitat preferencial do papagaio-de-peito-roxo. Na Argentina foram registrados 252 papagaios e no Paraguai, 23. O censo é realizado pela equipe do Projeto Charão, com apoio da instituição.

Continua depois da publicidade

Leia também em Estilo de Vida:

Mais de 20 animais são resgatados em casa no Estreito, em Florianópolis

Mãe é proibida de amamentar filha em shopping de Lages e mamaço é organizado em resposta

Primeiro crematório da Grande Florianópolis é inaugurado nesta terça-feira

Segundo a fundação, o número é positivo, pois indica crescimento de mais de 30% em relação à contagem realizada no ano passado. Mas a espécie ainda é classificada como “em perigo” pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), principal autoridade para a classificação do risco de ameaça de espécies no mundo.

(Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS)

Segundo a diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, Malu Nunes, a existência de uma espécie está diretamente ligada à conservação de seu habitat. No caso do papagaio-de-peito-roxo, a espécie corre sérios riscos, já que o seu local de maior ocorrência, que é a Floresta com Araucárias, conta hoje com apenas 3% da cobertura original.

Projeto treina espécie de papagaio ameaçado de extinção para ser solta no Parque Nacional das Araucárias

Continua depois da publicidade

O pesquisador da Universidade de Passo Fundo Jaime Martinez explica que o papagaio-de-peito-roxo e as araucárias (Araucaria angustifolia) têm uma relação de dependência mútua. Ao se alimentar, a ave transporta a semente das árvores, que muitas vezes cai no chão e germina.

O Projeto Charão estuda atualmente o papagaio-de-peito-roxo e o papagaio-charão (Amazona pretrei), muito comum na Serra catarinense.

Para auxiliar na conservação dos papagaios, são realizadas várias ações. Essas aves utilizam ocos das árvores para a reprodução, cada vez mais raros na natureza, pois estão normalmente associados a florestas com melhor grau de conservação. Um dos focos do trabalho é a melhoria do habitat para a reprodução, o que inclui a conservação de árvores velhas nas propriedades rurais, e a instalação de caixas-ninho.

Continua depois da publicidade

Quase extinto e arriscado para colher, saiba como pinhão se tornou a companhia do frio catarinense

Infográfico: Papagaio-charão faz parte da cultura do pinhão

Só neste ano, serão 100 nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Desde 2002, o projeto já instalou 600 caixas-ninho no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, sendo 400 para o papagaio-charão e 200 para o papagaio-de-peito-roxo.

O projeto atua com o governo de Santa Catarina para a criação de um corredor ecológico que passa pelos municípios do Planalto Serrano catarinense, onde as espécies são mais presentes. Também está prevista para 2017 a inauguração de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) no município de Urupema (SC), a RPPN Papagaios-de-altitude.

Papagaios-de-peito-roxo são reintroduzidos em Parque no Oeste

Além da Fundação Grupo Boticário, o Projeto Charão conta com outros parceiros: o Instituto Estadual de Florestas (IEF), o Espaço Silvestre, a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade de Passo Fundo (UPF), o Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA), a Sociedade de Pesquisa em Vida Silvestre e Educação Ambiental (SPVS), a Universidade de Chapecó (Unochapecó), a Guyra Paraguay [Paraguai], a Associación Ornitológica del Plata [Argentina] e o Proyecto Pino Paraná [Argentina].

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total