nsc

publicidade

Saúde

Centro de Saúde Novo Continente é fechado após arrombamento, em Florianópolis

O local ficará fechado por tempo indeterminado. Duas janelas foram quebradas e a televisão da sala de espera furtada 

13/09/2019 - 10h16 - Atualizada em: 13/09/2019 - 10h43

Compartilhe

Por Camila Levien
Aviso colocado na porta do local nesta manhã
(Foto: )

O Centro de Saúde Novo Continente foi arrombado na madrugada desta sexta-feira (13), duas janelas foram quebradas: a da sala de espera e outra que dá acesso a coordenação do posto de saúde. Ambas possuíam marcas de sangue. A hipótese atual é que o invasor teria se cortado ao quebrar as aberturas. As informações preliminares são de que uma televisão foi furtada.

A perícia no local ainda não havia sido realizada pela Polícia Militar até às 9h da manhã. O órgão deverá determinar com o procedimento se este foi realmente apenas um ato de vandalismo e roubo. O vigilante de um prédio vizinho, Écio Rodrigues de 56 anos, conta que ao chegar no trabalho às 7h da manhã ficou surpreso ao ver o que havia acontecido.

—É lamentável, isso é coisa de louco. Você está destruindo algo que é necessário para tua comunidade. A pessoa que roubou ela também têm família e quando for a filha dele(a) ou a mãe sem conseguir atendimento? — afirma Rodrigues
Janela da recepção unidade com vidro quebrado
Janela da recepção da unidade com vidro quebrado
(Foto: )

A Prefeitura Municipal de Florianópolis informou em nota que o posto de saúde terá o atendimento interrompido por tempo indeterminado, até que a polícia avalie a situação e libere a entrada dos servidores para organização do local. A recomendação é que em casos de urgência os pacientes recorram a Upa do Continente. Entretanto, quem está com consulta agendada deve aguardar o centro de saúde retornar às atividades.

A recomendação não serve de consolo para os moradores do Morro da Caixa e bairros próximos que dependem desse local para atendimentos médicos. É o caso das duas imigrantes haitianas Lisiane Petiplat de 25 anos e Jaqueline Polifien, 35. Elas duas buscaram o local para agendar consultas, Lisiane está de grávida de 5 meses e têm dificuldade de se comunicar em português. Já Jaqueline, reclama de dores abdominais.

— Eu estou sentindo uma dor muito forte na barriga, não consigo nem trabalhar. É muito forte, foi difícil até subir a escada e quando cheguei na porta dizia que tava fechado. É frustrante, não posso fazer nada — diz Polifien

De acordo com a prefeitura a unidade presta em média 1100 atendimentos por mês. O local presta atendimento médico, serviços de enfermagem e farmácia.

Deixe seu comentário:

publicidade