nsc
dc

Doença

China muda método para definir o coronavírus e número de casos salta para 60 mil

O número de mortos e de pessoas contaminadas com o vírus COVID-19 aumentou drasticamente

13/02/2020 - 10h30 - Atualizada em: 13/02/2020 - 10h33

Compartilhe

AFP
Por AFP
Coronavirus
O governo chinês mantém 56 milhões de pessoas em uma quarentena gigantesca em Hubei
(Foto: )

O número de mortos e de pessoas contaminadas com o vírus COVID-19, do novo coronavírus, aumentou drasticamente nesta quinta-feira (13) na China, depois que as autoridades mudaram o método de contagem, alimentando a preocupação no mundo de que a epidemia é muito pior.

As autoridades chinesas registraram 242 novas vítimas fatais na província de Hubei, epicentro da epidemia, elevando a 1.355 o número de mortos na China continental.

Além disso, o governo anunciou 14.840 novos casos de contágio, o que elevou o total a quase 60.000 pessoas, um aumento devido à adoção de uma nova metodologia na definição dos casos relativos à epidemia.

O anúncio do novo método coincidiu com a destituição de dois altos funcionários do Partido Comunista da China na província de Hubei, em meio a críticas à gestão da crise.

Enquanto os números disparam na China, outra frente de preocupação surgiu no Vietnã, que colocou em quarentena por 20 dias a cidade de Son Loi, que tem quase 10.000 habitantes e fica a 30 quilômetros de Hanói, depois que seis casos foram registrados na localidade. É o primeiro país fora da China a adotar esta medida drástica.

O Japão anunciou 44 novos casos de contágio entre os passageiros do cruzeiro 'Diamond Princess', que está em quarentena na costa do país, o que eleva a 218 o número de infectados no navio. Além disso, Tóquio anunciou a primeira morte em seu território de um infectado.

O governo chinês mantém 56 milhões de pessoas em uma quarentena gigantesca em Hubei, especialmente na capital Wuhan, além de restringir os movimentos de vários milhões a mais em diversas cidades.

Coronavirus
Cruzeiro 'Diamond Princess', que está em quarentena na costa do Japão
(Foto: )

Tratamento "o mais rápido possível"

O aumento considerável do número de infectados nas últimas 24 horas se deve à adoção de um sistema de cálculo diferente, que amplia a noção de casos positivos. A partir de agora o balanço incluirá todos os pacientes cuja radiografia pulmonar apresente sinais de pneumonia, sem esperar o exame de ácido nucleico, até então indispensável para confirmar o diagnóstico.

O teste é mais lento e complexo, o que atrasava o início do tratamento do paciente. A Comissão de Saúde de Hubei afirmou que o novo método permitirá que os pacientes recebam o tratamento "o mais rápido possível".

Líderes políticos afastados

Em meio à crise, o Partido Comunista da China destituiu seu principal líder na província de Hubei, Jiang Chaoliang, que foi substituído pelo prefeito de Xangai, Ying Yong, que é próximo ao presidente Xi Jinping.

Ma Guoqiang, principal dirigente comunista da cidade de Wuhan, capital da província de Hubei, Ma Guoqiang, também perdeu o cargo.

As destituições são uma resposta à revolta da opinião pública, que considera que as autoridades demoraram a reagir quando surgiram os primeiros casos da doença. Os dois principais funcionários do Departamento de Saúde da província de Hubei já haviam perdido os cargos.

A China recebeu elogios da Organização Mundial da Saúde (OMS) pela transparência na gestão da crise da saúde. A nova metodologia adotada pelas autoridades para definir os casos confirmados, no entanto, pode alimentar as suspeitas de que a doença foi subestimada.

O presidente Xi Jinping comandou na quarta-feira uma reunião com as lideranças do Partido Comunista e destacou uma "evolução positiva" da situação, depois da divulgação de números que indicavam uma redução nos casos confirmados pelo segundo dia consecutivo.

Em Genebra, Michael Ryan, chefe do departamento de emergência da OMS, declarou "que é cedo demais para tentar prever o fim da epidemia".

Temor mundial

Vários países proibiram o desembarque de passageiros procedentes da China, enquanto as principais companhias aéreas suspenderam voos com destino ao gigante asiático.

Um cruzeiro americano, que foi proibido de atracar em cinco portos asiáticos pelo temor do novo coronavírus, chegou nesta quinta-feira ao Camboja, onde seus 1.455 passageiros foram autorizadas a desembarcar.

Dado o peso econômico e a posição da China nas redes de suprimento globais, o vírus está afetando empresas em vários setores ao redor do mundo.

A Agência Internacional da Energia (AIE) reduziu drasticamente as previsões de demanda mundial de petróleo para 2020 (825.000 barris ao dia, 365.000 a menos) pelas consequências "significativas" da epidemia.

A Comissão Europeia indicou que o coronavírus representa um "novo risco" para a economia da Eurozona.

O temor internacional de contágio provocou o cancelamento do World Mobile Congress (WMC), salão mundial da telefonia móvel de Barcelona, que estava previsto para acontecer entre 24 e 27 de fevereiro.

Nesta quinta-feira, os torneios de Rugby 7 de Hong Kong e Singapura, que aconteceriam em abril, foram adiados em outubro. Na véspera, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) também anunciou o adiamento do Grande Prêmio da China de Fórmula 1, previsto inicialmente para ser realizado em 19 de abril, em Xangai.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Saúde

Colunistas