nsc
    dc

    Clima

    Chuva e ventos causam estragos no Oeste de Santa Catarina

    Na região de São Miguel do Oeste houve alagamentos e queda de barreiras

    30/05/2019 - 13h23 - Atualizada em: 30/05/2019 - 20h52

    Compartilhe

    Darci
    Por Darci Debona
    Chuva causou deslizamento no Oeste
    Hangar do aeroporto São Miguel do Oeste caiu sobre aeronave
    (Foto: )

    A grande quantidade de chuva e ventos fortes desta quinta-feira (30) causaram estragos no Oeste de Santa Catarina. Choveu desde a madrugada e um temporal ocorrido por volta das 13h causou queda de árvores e destelhamentos no Extremo Oeste. Cerca de 10 mil residências ficaram sem energia elétrica na região.

    O tenente João Rudini, do Corpo de Bombeiros de São Miguel do Oeste, informou que foram mais de 140 ligações para o quartel. Cerca de 80 pessoas buscaram lonas - no total de 5,8 mil metros quadrados.

    Os bombeiros chamaram reforços de pessoas que estão de folga, do setor administrativo, bombeiros comunitários e um civil, totalizando 53 pessoas no atendimento. Quinze viaturas estão nas ruas para tender a população e restabelecer a normalidade na região.

    — Por volta do meio-dia, os municípios de São Miguel do Oeste, Bandeirante e Paraíso tiveram vários destelhamentos. As pessoas estão vindo até o quartel buscar lonas para cobrir seus pertences. Tivemos várias chamadas de desobstrução de vias, corte de árvores e limpeza — explicou o tenente.

    Um hangar caiu sobre um avião no aeroporto Hélio Wasun. De acordo com o prefeito Wilson Trevisan, outros espaços públicos, como o parque de Exposições Rineu Gransotto, além de sete creches e escolas foram atingidos.

    — Tivemos bastante estrago, muitas casas destelhadas, unidades de saúde, creches, mas de pequena monta. Muitas árvores caíram, a avenida Willy Barth chegou a ficar interrompida por um tempo. Estamos trabalhando para recuperar o que estragou, fazer o atendimento à população e depois vamos avaliar que medida vamos tomar — disse o prefeito.

    Ele afirmou que também há danos nas estradas e destelhamentos no interior.

    Temporal em São Miguel do Oeste
    Acesso de São Miguel do Oeste a Bandeirante ficou bloqueado
    (Foto: )

    O acesso a Bandeirante está bloqueado, pois muitas árvores caíram sobre a pista da SC-492. Em Paraíso o ginásio de esportes da linha Grápia foi totalmente destelhado.

    Em Xanxerê um barranco deslizou na SC-155, na linha Faxinal do Irani. A água e a lama acabaram atingindo uma casa nas proximidades. Não houve vítimas, só danos materiais. Também acumulou lama em alguns pontos da SC-480. Houve alagamentos em alguns pontos da cidade e queda de árvore numa residência.

    Em Entre Rios as aulas da rede municipal foram suspensas devido a um deslizamento em escola, além de alagamentos e danos nas estradas do interior.

    Em Jardinópolis foram registrados pontos de alagamento no centro da cidade.

    Em Irani as comunidades de Vista Alegre e Casa Grande ficaram isoladas por elevação do nível do rio Jacutinga.

    No quilômetro 92 da SC-157, em Cordilheira Alta, houve queda de barreira deixando o trânsito em meia pista até o final da manhã, quando foi realizada a desobstrução.

    Em Seara, onde choveu 62 milímetros em seis horas, e Concórdia, onde choveu 46 milímetros no mesmo período, também foram registrados alguns pontos de alagamentos.

    Em Peritiba um deslizamento interditou parcialmente a rodovia SC-390 e a prefeitura está trabalhando para liberar o local.

    Defesa Civil registra "micro explosão" no Oeste de SC

    Em nota, a Defesa Civil de SC informa que classificou a forte tempestade ocorrida em São Miguel do Oeste, por volta das 13h desta quinta, como uma "micro explosão". O mesmo evento atingiu o município de Paraíso, no Extremo Oeste, e deixou um ginásio de esportes destruído. Confira o comunicado na íntegra:

    "Na tarde desta quinta-feira (30), por volta das 13:10 horas, uma forte tempestade provocou destelhamentos e queda de árvores e de placas no município de São Miguel do Oeste.

    Para definir a origem do evento foram observadas as imagens dos estragos, dados do Radar Meteorológico do Oeste e de estações meteorológicas. A velocidade do vento registrada pela estação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) foi de 130 km/h.

    Com base nas imagens dos danos causados pelo vento, em uma única direção em conjunto com os dados colhidos, o monitoramento da DC SC classifica o evento como sendo uma "micro explosão".

    Vale ressaltar que o mesmo sistema também atingiu o município de Paraíso, no extremo Oeste, e causou a destruição de um ginásio de esportes."

    Assine o NSC Total para ter acesso ilimitado ao portal, ler as edições digitais do DC, AN e Santa e aproveitar os descontos do Clube NSC. Acesse assinensc.com.br e faça sua assinatura.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas