nsc
    an

    Saúde

    Cinco remédios oncológicos estão em falta no Hospital São José em Joinville

    Pacientes em tratamento de quimioterapia e radioterapia estão sofrendo com a ausência dos medicamentos

    28/05/2019 - 11h25

    Compartilhe

    Hassan
    Por Hassan Farias
    Maioria dos mediamentos aguardam compra por meio de licitação
    Maioria dos mediamentos aguardam compra por meio de licitação
    (Foto: )

    O Hospital Municipal São José está sem cinco medicamentos oncológicos, usados por pacientes que estão em tratamento de quimioterapia e radioterapia, em Joinville. A Secretaria de Saúde tentou fazer a compra por meio de licitação, mas houve casos em que os interessados não apareceram ou não preencheram os requisitos necessários.

    São três medicamentos em que a licitação deu como fracassada – quando há interessados, mas eles não preenchem os requisitos necessários – e outro com a licitação deserta – quando não há interessados. Um quinto medicamento está em falta, mas o município informou que está em processo de entrega. No entanto, não informou quando deve ser recebido.

    Os quatro medicamentos em que não foi possível realizar a aquisição por meio de licitação, a Secretaria de Saúde está realizando a cotação de preços para a compra com dispensa de licitação. Porém, a Prefeitura também não deu uma previsão de quando eles devem estar disponíveis para os pacientes.

    A falta dos medicamentos gerou até uma discussão nas comissões de saúde e cidadania na Câmara de Vereadores. Durante o encontro, a gerente de assistência farmacêutica da Secretaria de Saúde, Louise Delatorre, explicou que cada um dos 53 medicamentos usados para a oncologia no Hospital São José são nominais para cada paciente, de acordo com a necessidade e dos protocolos estabelecidos.

    — Cada tipo de tumor ou câncer tem um protocolo específico para uso de medicamentos específicos. A gente tem acompanhado sempre muito de perto essas licitações porque os pacientes precisam de um atendimento rápido. A equipe tem se esmerado nisso, dentro das dificuldades que temos no dia a dia — explicou.

    Tempo de espera

    A gerente da Central de Regulação Ambulatorial, Simone Aparecida de Souza, também afirmou durante a reunião que desde setembro do ano passado começou a ser organizado o processo de entrada dos pacientes oncológicos em filas. Eles entram na fila e são avaliados a partir daquele momento.

    — A Legislação diz que a partir da data da biópsia nós temos 60 dias para realizar o primeiro atendimento. A fila da radioterapia está com espera de 20 a 30 dias para a primeira avaliação — destacou.

    No caso da quimioterapia, a gerente da central de regulação explicou que os pacientes têm tempo de espera diferenciados, de acordo com a avaliação médica para cada especialidade. Segundo ela, o tempo de espera vai depender da situação de cada usuário.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas