nsc
an

Livre Mercado

Claudio Loetz: Obras na Expoville não têm prazo para começar

Construção de parque ambiental e novo pavilhão de eventos depende de equacionamento e finalização de ações direcionadas ao meio ambiente

18/11/2015 - 03h31 - Atualizada em: 18/11/2015 - 13h58

Compartilhe

Por Redação NSC

O início de obras de novo pavilhão de eventos e a construção de um parque ambiental na Expoville por parte do consórcio Caex/Viseu depende de equacionamento e finalização de ações direcionadas ao meio ambiente. Só depois disso, e com a autorização judicial, poderá ser feito. O novo pavilhão poderá ter 7 mil metros quadrados.

Já o parque deveria ter 40 mil metros quadrados, mas vai diminuir de tamanho para garantir a área de preservação ambiental exigida pela Justiça. Entre as obrigações, está a averbação de uma área de preservação permanente e adequações para garantir o completo e moderno tratamento de esgoto nas instalações de todo o complexo.

Hoje, a Expoville tem dois mil metros de encanamento de esgoto. O consórcio opera normalmente mediante decisão liminar (provisória) da Justiça. A expectativa dos administradores é terminar as adequações em março de 2016, diz o diretor comercial Luciano Coradi.

O contrato de concessão, assinado em junho de 2013, é válido por 25 anos. Em dois anos, a Expoville recebeu 380 eventos de tamanhos e características variados. Para 2016, há 70 contratos acertados. A meta é chegar a 170. Até agora, o consórcio fez a revitalização da casa de enxaimel, reforma do lago, revitalização de restaurante e do Centro de Eventos Wittich Freitag.

Estes investimentos somaram R$ 15 milhões. Coradi afirma que a exploração do negócio ainda é deficitária. Pelas contas dele, o balanço só vai apresentar lucro em 2017, quando se espera iniciar a recuperação de dinheiro já aplicado. O estacionamento, com 1.300 vagas, responde por 20% da receita.

Leia mais colunas de Claudio Loetz em AN.com.br.

Primeira etapa

A CMB Empreiteira de Mão de Obra vai fazer os serviços de terraplenagem e drenagem do loteamento empresarial a ser construído em área de 1,2 milhão de metros quadrados no bairro Paranaguamirim, na zona Sul de Joinville. Estes trabalhos demoram pelo menos 18 meses. Estão orçados em R$ 19 milhões e correspondem à primeira etapa do empreendimento. O investidor é a Imobiliária Casa Nova, dona do terreno.

Economia

A Embraco comprou motores tecnologicamente modernos da WEG, que reduziram o consumo de energia e aumentaram a eficiência, possibilitando 47% de economia, equivalente a 2.227.286 kWh/ano, quase a metade do que era consumido nas centrais de óleo anteriormente. A competitividade também cresceu. A Embraco passou a produzir a mesma quantidade de compressores utilizando menos energia.

Alemães aqui

A diretoria do Perini Business Park retomou contato com lideranças da German Graduate Scholl of Management & Law durante a viagem à Alemanha, por causa da premiação German Project Excellence Award. A primeira conversa ocorreu durante o Encontro Econômico Brasil-Alemanha, em Joinville, no mês de setembro. Agora, um grupo de 45 executivos que estudam na escola de negócios alemã virá ao Brasil nos dias 31 de março e 1º de abril de 2016.

Comando

Reginaldo Ferreira vai assumir a diretoria de Operações da OpenTech no dia 1º de dezembro. Com 20 anos de experiência em gerenciamento de risco, está na empresa desde o começo do ano.

Mercado aberto

Quarenta por cento da população brasileira não tem máquina de lavar roupa, e 98%, máquina de lavar louça. Estes dois produtos continuam sendo um luxo para poucos. Há um enorme campo de negócios à vista. A informação é do presidente da Whirlpool, João Carlos Brega, durante reunião do conselho deliberativo da Acij, na segunda-feira.

Movimentação

A exportação de madeira manufaturada em outubro pelo porto de São Francisco do Sul aumentou 525% em relação ao mesmo mês do ano passado. A exportação de motocompressores subiu 39%, e a de milho em grãos, 4%. Na importação, o destaque foi o mármore, que aumentou 13% se comparado ao mesmo período do ano passado, e 113% no acumulado do ano.

Recolocação

Com a intermediação da Apex Executive Search, a Seguridade Serviços de Segurança contratou um diretor executivo. Claudionir Gonçalves é formado em ciências contábeis pela Univille e em direito pela Associação Catarinense de Ensino (ACE). Tem especialização em auditoria interna moderna pela Trevisan, de São Paulo, e MBA em Finanças e Controladoria pela UniSociesc. O profissional acumulou experiência em cargos de gerência e controladoria em empresas como a V8 Brasil, Alenice Têxtil, Cajadan Têxtil e Wiest.

Colunistas