O deputado estadual Cleiton Salvaro, candidato à prefeitura de Criciúma pelo PSB, confirmou a desistência da corrida eleitoral na tarde desta quarta-feira. A nota oficial que informa a decisão foi emitida somente no final do dia (leia a íntegra no fim do texto), após Salvaro se reunir com o partido da vice, Tati Teixeira (PSD), e com membros da sua sigla em Criciúma.

Continua depois da publicidade

“O gestor de Criciúma tem de se comportar como um líder da região sul”, diz Cleiton Salvaro em Criciúma

Por telefone, o deputado não quis informar os motivos que o levaram a desistir, mas confirmou que não estará mais na disputa pela prefeitura. Nos bastidores, comenta-se que um dos motivos para a saída de Cleiton foi a liberação na Justiça da candidatura do primo, Clésio Salvaro, que lidera as pesquisas para a prefeitura de Criciúma.

Criciúma tem início de campanha marcado por trocas de acusações e batalhas de bastidores nos tribunais

O desempenho do candidato na última pesquisa de intenção de voto, realizada pelo Instituto de Pesquisa Catarinense, também pode ter pesado na decisão. Cleiton apareceu em terceiro lugar, o que pode ter sido fundamental para a retirada da coligação Paz para Criciúma do pleito.

Continua depois da publicidade

Além dos 26 vereadores que registraram candidatura dentro da coligação PSB – PSD, outros 23 candidatos de dez partidos menores também apoiam a dupla. Do ponto de vista jurídico, nada muda para os candidatos à Câmara, pois as candidaturas para majoritária e proporcional têm registros e homologação próprias,de acordo com a Lei das Eleições.

Com a desistência de Cleiton, ainda haveria a possibilidade de outro candidato substituí-lo, mas o prazo para encaminhar o pedido encerrou na última segunda-feira. De acordo com o membro da Comissão de Direito Eleitoral da OAB Criciúma, Luiz Henrique Baldessar Gava, a solicitação só pode ser feita no prazo máximo de 20 dias antes das eleições.

— Se ele tivesse renunciado antes do prazo, o partido poderia substituir naturalmente. Por ser após o período, não dá mais para usar esse artigo. Há exceção em caso de morte até as vésperas da eleição, mas para os demais casos, de renúncia ou pelo candidato estar inelegível, a lei determina esse prazo, inclusive para dar segurança jurídica para o eleitor — explicou Gava.

Leia abaixo a nota escrita para explicar a desistência

Senhores eleitores,

povo de Criciúma

Mantendo-me fiel à premissa que nos trouxe até aqui, da ¿Paz para Criciúma¿, e depois de profunda reflexão, tenho a expor o seguinte:

Continua depois da publicidade

Mediante a evolução do quadro jurídico e político que se põe à cidade de Criciúma, em consonância com a posição anunciada no início do processo eleitoral, de que não haveria divisão de forças que transcendesse as questões políticas e familiares, entendendo não ser saudável para a cidade e para a composição política apresentada, renuncio à condição de candidato a prefeito de Criciúma pela Coligação Paz Para Criciúma.

Esta decisão refere-se exclusivamente à candidatura majoritária, em nada afetando as coligações proporcionais, que tanto nos apoiaram e que continuaremos respaldando. Registre-se o respeito às siglas aliadas e em especial à candidata a vice-prefeita Tati Teixeira, de grande entrega e envolvimento ao projeto apresentado. Nossa estima às lideranças e população em geral, que tão bem acolheram nossa mensagem ao longo destas semanas de campanha.

Entendendo que seja percebida a grandeza de nosso gesto em favor da cidade de Criciúma, e do propósito que nos norteou até aqui, frisamos que esta é uma luta que não se esgota agora. Nossa busca incessante pela paz para a nossa cidade continua.

Obrigado, Criciúma.

Deputado Cleiton Salvaro

Destaques do NSC Total