publicidade

Cotidiano
Navegue por

Caos

Com 100 mil pessoas afetadas por temporal com granizo, Lages decreta calamidade pública

Abrigos públicos estão destruídos e pronto-socorro precisou ser interditado

13/10/2014 - 17h05 - Atualizada em: 13/10/2014 - 18h27

Compartilhe

Por Redação NSC
Estragos são vistos por toda a cidade, como na Uniplac, que precisou suspender as aulas
Estragos são vistos por toda a cidade, como na Uniplac, que precisou suspender as aulas
(Foto: )

A chuva de granizo que atingiu a cidade de Lages, na Serra Catarinense, na tarde desta segunda-feira, foi bem mais intensa que o imaginado. O primeiro levantamento oficial aponta que aproximadamente 100 mil pessoas foram afetadas de alguma forma pelo fenômeno, que durou 10 minutos.

O IBGE contabiliza 160 mil moradores em Lages, mas a prefeitura trabalha com o número de 180 mil. Com 60% da cidade destruída e sem serviços essenciais, o prefeito Elizeu Mattos decidiu decretar calamidade pública, o estágio mais grave de uma catástrofe natural.

Os cálculos iniciais indicam que 15 dos 30 abrigos geralmente destinados a vítimas de intempéries estão destruídos em vários bairros. Os hospitais Nossa Senhora dos Prazeres e Tereza Ramos, os dois maiores da região, tiveram problemas.

O Pronto Atendimento Municipal Tito Bianchini precisou ser interditado e os pacientes são transferidos para a enfermaria do 10º Batalhão de Engenharia de Construção do Exército (10º BEC).

Ginásios de esporte, escolas, creches, depósitos de remédios, órgãos públicos, residências, prédios, lojas e empresas foram atingidas. O número é incerto, mas segundo o prefeito, algumas crianças se feriram com cacos de vidros quebrados nas creches.

As redes municipal e estadual de ensino suspenderam as aulas pelo menos até sexta-feira, bem como a Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac). O serviço de abastecimento de água começou a ficar comprometido no fim da tarde porque alguns equipamentos da Secretaria Municipal de Águas e Saneamento (Semasa) foram danificados.

Devido à chuva forte contínua, o Rio Carahá, que passa por 13 bairros da cidade, transbordou em alguns pontos. Árvores caíram em algumas ruas e o trânsito ficou ainda mais complicado.

Cinco mil pessoas pediram lonas na Defesa Civil. Foto: Nilton Wolff

Agentes da Defesa Civil, bombeiros, policiais militares e servidores da prefeitura também tiveram suas residências atingidas e o socorro à população ficou comprometido.

Mais de cinco mil pessoas recorreram à Defesa Civil pedindo lonas para cobrir as suas casas, mas o material acabou em poucos minutos e não era mais encontrado em toda a região.

Por conta disso, algumas pessoas tentaram invadir a sede da Defesa Civil, no terminal rodoviário, e o princípio de confusão precisou ser controlado pela Polícia Militar.

- A cidade está um caos e ficou sem serviços básicos. Não temos onde abrigar quem precisar sair de casa, e até as equipes de resgate precisam socorrer as suas famílias. É uma situação muito complicada -, disse o prefeito.

Nesta terça-feira, às 7h30min, Elizeu Mattos receberá em seu gabinete o governador Raimundo Colombo. Na reunião, serão apresentados novos dados e discutidas ações conjuntas entre o município e o Estado para minimizar a calamidade e o sofrimento do povo lageano.

Confira o vídeo com a entrevista do prefeito:

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação