nsc

publicidade

Tratamento alternativo

Como começou a produção e o uso da substância manipulada por morador de Pomerode para combater o câncer

Linha do tempo mostra que primeiras pesquisas iniciaram em 1930

24/09/2015 - 11h01 - Atualizada em: 24/09/2015 - 17h03

Compartilhe

Por Redação NSC
Estudos sobre a metodologia de síntese da fosfoetanolamina começaram em 1990
Estudos sobre a metodologia de síntese da fosfoetanolamina começaram em 1990
(Foto: )

A grande procura por cápsulas feitas em casa por um representante comercial de Pomerode e a posterior prisão dele reacendeu o debate sobre o tratamento contra o câncer. Confira na linha do tempo como iniciou o uso da fosfoetanolamina como forma alternativa de enfrentar a doença.

::: Entenda o que é e como age a substância usada no tratamento de câncer feita em Pomerode

::: Conheça o pomerodense que fabricava a substância em casa

::: "Decidi tomar e botei na mão de Deus", diz homem que usa a substância

::: Médicos pedem cautela sobre tratamento alternativo contra o câncer

::: Entenda por que a substância não pode ser vendida

1930

As primeiras pesquisas sobre a substância foram feitas na década de 30 quando o pesquisador Outhouse comprovou, por meio de pesquisas em bois, que a substância é produzida naturalmente pelo organismo de animais.

1990

O professor e doutor Gilberto Orivaldo Chierice, na época ligado ao Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP), começa os estudos sobre a metodologia de síntese da fosfoetanolamina no Instituto de Química.

2008

Carlos Witthoeft vai diversas vezes a São Carlos (SP) e fica por seis meses estudando a substância com o professor e doutor Gilberto Orivaldo Chierice. Apesar de não ser químico, ele aprende a produzir a fosfoetanolamina sintética. Neste mesmo ano, o doutor Salvador Claro Neto, aluno de Gilberto, entra com pedido de patente da "Fosfoetanolamina como precursor de fosfolipídio para correção de disfunções celulares e metabólicas" no Instituto Nacional da Propriedade Industrial, ligado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

2014

Junho

A USP edita a portaria nº 1389/2014 e determina que a produção e a distribuição de drogas com finalidade medicamentosa ou sanitária só podem ser feitas mediante a prévia apresentação de licenças e registros expedidos pelo Ministério da Saúde e Anvisa.

2015

23 de junho

Carlos Kennedy Witthoeft é preso em flagrante por falsificação de medicamento na casa onde mora em Pomerode. Maquinário, matéria-prima e cápsulas são apreendidos pela polícia.

8 de julho

Justiça concede liberdade provisória mediante pagamento de fiança no valor de R$ 100 mil, comparecimento à autoridade judicial sempre que intimado e semanalmente em juízo para justificar atividades, não se ausentar de Pomerode por mais de oito dias, não mudar de endereço sem prévia autorização judicial e proibição de manipulação de medicamentos.

9 de julho

É expedido alvará de soltura. Com pedido de habeas corpus para redução da fiança feito por um dos advogados de Carlos, Ricardo Deucher, Justiça concede liminar para reduzir o valor da fiança para 10 salários mínimos (R$ 7,8 mil).

3 de agosto

É decretado o segredo de justiça do processo e é aprovada a quebra do sigilo bancário de Carlos Kennedy Witthoeft e da esposa entre 1º de janeiro de 2014 e 20 de julho de 2015. O Ministério Público analisa o processo.

Deixe seu comentário:

publicidade