nsc
nsc

Recém-nascidos

Como evitar a síndrome da morte súbita infantil

Problema é mais frequente entre recém-nascidos de dois a quatro meses

29/12/2014 - 03h04 - Atualizada em: 29/12/2014 - 11h38

Compartilhe

Por Redação NSC
A síndrome da morte súbita infantil figura como incógnita no meio médico
A síndrome da morte súbita infantil figura como incógnita no meio médico
(Foto: )

Além de ser um bicho-papão que assombra pais e mães, a síndrome da morte súbita infantil figura como incógnita no meio médico, pois ainda não tem uma causa que seja amplamente aceita.Mas especialistas apontam algumas situações que costumam estar relacionadas a esse incidente. Sabe-se que é essencial estar atento ao ambiente em que o bebê dorme.

Uma pesquisa com recém-nascidos americanos apontou que 55% deles ainda dormem em posições que favorecem a síndrome.Pediatra e professor da UFRGS,Roberto Mario Silveira Issler recomenda um colchão firme, um travesseiro baixo e um local "limpo",ou seja, sem brinquedos,protetores de berço, móbiles ou outros objetos que podem facilitar o sufocamento da criança.Também é indicado que os pais durmam com o filho no mesmo ambiente nos primeiros meses - mas, preferencialmente,não na mesma cama.

O superaquecimento da criança com excesso de roupas ou cobertas precisa ser evitado, pois pode gerar alterações no funcionamento do centro respiratório. A indicação mais importante é a posição da criança ao dormir.

- Colocar o bebê de barriga para cima é a única medida adotada no mundo inteiro que reduziu a incidência da síndrome - ressalta o neonatologista Marcelo Pavese Porto.

Leia também:

Como aplicar corretamente o filtro solar nas crianças

Conheça os fatores que podem influenciar o desenvolvimento da linguagem infantil

Exercícios para bebês são novidade em academias de Porto Alegre

Diminuição da oxigenação dentro do útero, retardo do crescimento do feto e prematuridade também são fatores de risco, assim como uso de álcool,drogas ou cigarro durante a gestação. A morte súbita ainda pode ter relação com a exposição ao fumo após o nascimento, uma vez que afeta a área respiratória, e sua incidência é maior entre crianças de dois a quatro meses.

Segundo o pediatra Roberto Mario Silveira Issler, a causa ainda é um mistério, mas pode estar relacionada aos centros de controle de respiração, da frequência cardíaca, da pressão e do despertar, que independem da consciência humana e estão localizados na região do tronco do cérebro.

Leia mais notícias sobre infância e família

O que fazer para proteger o bebê

Uma pesquisa publicada no jornal Pediattrics apontou que 55% dos bebês ainda dormem em situações que favorecem a morte súbita. Confira as principais dicas para evitar.

- A posição recomendada para o bebê dormir é de barriga para cima.

- Não utilize fumo, drogas ou bebida alcoólica durante a gestação, nem fume próximo ao bebê.

- Faça o pré-natal. O acompanhamento ainda na gravidez está relacionado a um menor risco de morte súbita.

- Evite dar muitos medicamentos à criança, e nunca dê os não prescritos

- O uso de chupeta pode ser vantajoso para estimular o centro respiratório - mas enquanto o aleitamento não estiver bem estabelecido, não é indicado. Até no combate à morte súbita, a amamentação é recomendada.

- A criança deve dormir ao alcance do braço, para que os pais estejam atentos à sua movimentação.

- Não cubra demais o bebê e não tape seu rosto

Colunistas