nsc
santa

Audiência pública

Comunidade precisa ficar atenta ao andamento das desapropriações às margens da BR-470

Os técnicos esclareceram dúvidas da comunidade e anteciparam a informação sobre a realização de visitas em todas as residências

27/08/2014 - 16h54

Compartilhe

Por Redação NSC
Casal Iria e Osmar ainda não tem certeza sobre seu futuro
Casal Iria e Osmar ainda não tem certeza sobre seu futuro
(Foto: )

Durante o encontro proposto pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), os técnicos esclareceram dúvidas da comunidade sobre as desapropriações e anteciparam a informação sobre a realização de visitas em todas as residências e empreendimentos localizados nos 74 quilômetros onde será realizada a obra. Dois técnicos identificados com crachás farão as visitas e coletarão informações sobre os proprietários dos imóveis. O DNIT também alertou para a ação de especuladores que poderão tentar comprar os imóveis por valores abaixo da tabela e após repassá-los à União.

- Além de atrasar todo o processo de duplicação, os especuladores também não vão se dar bem. O caso pode parar na Justiça - alertou o superintendente substituto do DNIT, Alysson Andrade.

Entenda o caso

>>> Desapropriações relacionadas à duplicação da BR-470 só vão terminar no fim de 2015

Além disso, a autarquia também esclareceu que os proprietários não precisam de advogados para participar dos mutirões. Caso estejam em desacordo com os valores, podem questionar a oferta na Justiça. Nesta etapa será necessária a assessoria de um profissional. Diversos advogados compareceram ao encontro e estabeleceram contatos com os proprietários dos imóveis.

A Associação BR-470 em Nossas Mãos, idealizada pelo advogado Luiz Carlos Nemetz, manifestou sua insatisfação com relação aos moldes do encontro e andamento das obras. "Lamentável o horário escolhido. Fosse no período noturno, o público certamente seria triplicado.... A obra está longe, mas muito longe de ser efetivada e de reunir condições de iniciar com um ritmo confiável", diz parte da nota encaminhada à imprensa.

Futuro do casal é incerto

Iria, 67 anos, mora em uma propriedade localizada no km 62 da BR-470 há 40 anos. Seu companheiro, Osmar Krueger, 68, está lá desde que nasceu. Com a duplicação da rodovia o deles futuro é incerto. Os aposentados ainda não sabem se apenas uma parte do terreno será afetada ou se os 1,3 mil metros quadrados serão desapropriados. A incerteza que vivem neste momento só será sanada com a visita do técnico.

Mesmo com o trânsito intenso na rodovia em frente a sua casa, Iria revela que prefere não ter que procurar outro lugar para morar. Enquanto não tem certeza sobre seu futuro, lembra com nostalgia da região há 40 anos.

- Era muito bom morar lá. Andávamos de bicicleta sem medo e com segurança. Criamos nossos dois filhos lá, sem medo de acidentes. Hoje em dia não tem mais condições e talvez a duplicação possa melhorar o trânsito - disse.

Colunistas