nsc
an

publicidade

Joinville que Queremos

Confira as opções para entrar na previdência privada

Há dois tipos de planos que podem garantir renda extra ao fim de uma carreira. Antes de escolher, consulte um especialista

21/08/2015 - 06h25

Compartilhe

Por Redação NSC
Planos de previdência privada não são exclusivamente voltados para fins de aposentadoria
Planos de previdência privada não são exclusivamente voltados para fins de aposentadoria
(Foto: )

O sonho da maioria dos brasileiros é ter uma renda adicional à aposentadoria. Investir em um plano de previdência privada pode ser uma boa opção. Nesse caso, quanto mais cedo começar a investir, melhor, pois o período em que o dinheiro fica aplicado é maior, antes de transformá-lo em renda fixa. Há dois tipos de plano de previdência privada: o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL).

Clique aqui e se inscreva para a palestra com o Senhor Dinheiro

Confira página especial do projeto Joinville que Queremos

O PGBL é mais recomendado para pessoas com renda mais alta, pois o valor pago ao plano pode ser abatido no Imposto de Renda (desde que esse valor represente até 12% de sua renda bruta anual). Porém, quando o dinheiro é sacado, o imposto pago é referente ao total que havia no fundo. Por exemplo, se esse valor for de R$ 100 mil, o imposto será cobrado sobre ele.

Já o VGBL não pode ser deduzido do Imposto de Renda. Mas há uma vantagem em relação ao PGBL. Quando o dinheiro é sacado, o imposto cobrado é referente ao que o dinheiro rendeu. De acordo com o planejador financeiro Lucas Eduarte Pereira, outro ponto importante para se avaliar na hora de escolher o plano é verificar qual a forma de cobrança de impostos. Existem duas formas de tributação.

- A tabela de impostos regressiva favorece o resgate do dinheiro de uma só vez, e a progressiva é mais vantajosa para aquelas pessoas que querem receber a quantia investida em forma de parcelas mensais - afirma Lucas.

Mas os planos de previdência privada não são exclusivamente voltados para fins de aposentadoria. Outra opção é a Previdência Jovem, geralmente para quem quer garantir os estudos dos filhos. O responsável contribui mensalmente, mas elege um beneficiário (pode ser até um recém-nascido, que hoje já pode ter CPF), definindo a data que poderá usar os recursos. É possível também escolher se a renda recebida será por um determinado período ou vitalícia.

Quem contrata o plano pode determinar, por exemplo, que os filhos e a mulher continuem recebendo a renda se ele morrer. Mas antes de decidir por uma ou outra modalidade, é fundamental consultar um especialista no assunto, em uma instituição financeira.

Salve e imprima tabela de orçamento familiar

Um exemplo de contribuição

Na simulação feita pela Manchester Investimentos, levando em conta uma taxa de juros de 8% ao ano, uma pessoa de 35 anos que pretende se aposentar aos 65 anos faz um investimento mensal de R$ 300 em um plano de previdência privada.

Ele terá, ao final de 30 anos de contribuição, uma renda fixa de cerca de R$ 2.500.

Deixe seu comentário:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade