nsc
dc

publicidade

Evento

Congresso de Direito na UFSC tem recurso federal negado por "militância política"

Capes negou verba que havia sido liberada nas oito edições anteriores do evento. Organizadores estão recorrendo

14/08/2019 - 17h48 - Atualizada em: 14/08/2019 - 22h40

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Retorno da Capes citou "militância política na área do direito"
(Foto: )

A justificativa dada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) para negar uma liberação de recursos para a realização de um congresso de Direito na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) tem causado revolta no meio acadêmico e notas de repúdio de entidades ligadas à educação.

Ao alegar que o evento teria "organizadores e palestrantes de elevada relevância para a comunidade de militância política na área do direito", o órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC) negou um recurso que pedia R$ 80 mil do governo federal e ainda retirou R$ 20 mil que já haviam sido autorizados anteriormente.

O motivo da discussão é o Congresso Internacional Constitucionalismo e Democracia, marcado para novembro em Florianópolis. Organizado pela Rede Internacional para o Constitucionalismo Democrático Latino-Americano, o evento está em sua 9ª edição e nos oito anos anteriores (sempre realizado em uma universidade diferente) recebeu a mesma verba de apoio da Capes, através do Programa de Apoio a Eventos no País (PAEP).

Desta vez, conforme explica uma das organizadoras do evento e Pró-Reitora de Pós-Graduação da UFSC, Cristiane Derani, foi feito um pedido inicial de R$ 80 mil e o retorno da Capes apontava uma liberação parcial de R$ 20 mil. Com isso, os organizadores tentaram um recurso dentro das normas do programa pedindo uma nova análise do valor — em uma tentativa de conseguir o total da verba. A surpresa veio no novo parecer que, além de negar a liberação dos recursos, reformava a decisão anterior, retirando os R$ 20 mil aprovados inicialmente, sob a justificativa de "militância política".

— Esse retorno ocorreu em junho. Desde lá tentamos por todos os meios conversar com a Capes, entrar com requerimentos, mas não tivemos mais respostas. O pedido ficou sem manifestação. Só depois de todas as tentativas tornamos isso público nas redes sociais. Agora, com a mobilização que isso gerou, fiz um recurso de ofício ontem (segunda-feira, 13) para o Conselho Superior, mas ainda não tivemos resposta — explica a professora Cristiane Derani.

Procurada pela reportagem, a Capes se manifestou explicando que a decisão é tomada após uma análise de um conselho de especialistas que não são servidores do governo, e tal conselho não havia considerado o evento "científico" (leia a nota na íntegra no fim da reportagem). A Capes explicou também que o conselho é variável, formado por pessoas diferentes a cada encontro.

Pelo outro lado, Derani questiona a razão do primeiro conselho ter aceitado uma liberação parcial e, depois, o segundo retirado todos os recursos:

— Ele foi considerado científico inicialmente, tanto que liberaram R$ 20 mil. Como é considerado uma vez e depois não? Fere toda a Constituição você ter um processo em que as pessoas retroagem o que foi concedido anteriormente.

Retorno da Capes sobre congresso em Florianópolis
Primeira resposta enviada pelo governo, em maio, autorizava a liberação parcial de R$ 20 mil
(Foto: )

Organização busca outras fontes de recurso

A Rede Internacional para o Constitucionalismo Democrático Latino-Americano garante que o evento segue marcado para novembro na UFSC e que está buscando outras agências de fomento para tentar recursos. O congresso teria como tema "Novas economias e formas alternativas de pensar e viver" e tem na agenda palestrantes nacionais e internacionais vinculados a programas de pós-graduação em direito.

— O evento vai acontecer. Quais as condições ainda é uma incógnita — resume a professora Cristiane Derani.

O que diz a Capes

O Programa de Apoio a Eventos no País (PAEP) é responsável pelo fomento de eventos científicos e tecnológicos no país, implementado pela CAPES ao longo de sua existência. Seu objetivo é incentivar a divulgação cientifica e tecnológica das pesquisas realizadas pelo Programas/Cursos de pós-graduação no âmbito do Sistema Nacional de Pós-Graduação.

Semestralmente ocorre a seleção das propostas apresentadas em resposta aos editais publicados pela CAPES, garantindo-se, deste modo, a isonomia e a objetividade dos julgamentos promovidos pelos próprios pares da comunidade acadêmica.

No caso do evento ‘VIII Congresso Internacional Constitucionalismo e Democracia: decolonialidade, pluralismo jurídico e alternativas ao desenvolvimento’, a análise de mérito foi realizada por um consultor ad hoc, com autonomia em relação à CAPES, que concluiu não ter a proposta apresentada preenchido os requisitos de cientificidade mínimos exigidos para implementação do fomento.

A CAPES, como princípio, honra o compromisso de valorizar a avaliação entre pares, respeitando a autonomia da academia em relação a qualquer interferência institucional ou administrativa.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Educação

publicidade

Colunistas

    publicidade

    publicidade

    publicidade