nsc
dc

Para prevenir

Conheça os tipos mais comuns de reumatismo

Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo é lembrado nesta terça-feira

30/10/2012 - 10h45

Compartilhe

Por Redação NSC
Existem mais de 100 tipos de reumatismos, que acometem mais de 12 milhões de brasileiros
Existem mais de 100 tipos de reumatismos, que acometem mais de 12 milhões de brasileiros
(Foto: )

A Reumatologia é uma ciência que estuda as doenças que causam, em sua evolução, dor ou incapacidade funcional nas articulações ou em qualquer outro componente do sistema músculo esquelético. A especialidade abriga um grande número de doenças, desde tendinites, bursites, dores na coluna, até doenças sistêmicas que podem comprometer órgãos internos como o coração, pulmão, rim, aparelho digestivo e sistema nervoso, diminuindo a expectativa de vida dos doentes.

São chamadas de reumatismos as doenças que acometem o sistema músculo-esquelético. Existem mais de 100 tipos de reumatismos, que acometem mais de 12 milhões de pessoas no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. No ano de 2011, no país, foram gastos mais de 300 milhões com internações hospitalares pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com essas doenças.

Nesta terça-feira, 30 de outubro, é lembrado o Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo. A data alerta para a prevenção dessas doenças e para o diagnóstico nas fases iniciais, de fundamental importância para a otimização do tratamento, buscando evitar danos.

A seguir, o gestor do Serviço de Reumatologia do Hospital Mãe de Deus, Claiton Brenol, detalha as características dos tipos mais comuns de reumatismo.

:: Artrite reumatoide

É uma doença que causa principalmente inflamação das articulações, podendo gerar degeneração das cartilagens das juntas, deformidades e incapacitação para as atividades diárias. Se não tratada adequadamente, metade dos pacientes tornam-se incapacitados para o trabalho em 10 anos de evolução da doença, afirma Brenol.

Embora seja uma doença autoimune (quando o sistema de defesa ataca o próprio organismo) e com origem predominantemente genética, alguns fatores ambientais foram identificados como "gatilhos" para a artrite reumatoide. Segundo o médico, o cigarro é um dos principais.

- O tabagismo pode propiciar que as pessoas com predisposição genética à doença possam desenvolver os seus sintomas - explica.

Os principais sintomas da artrite reumatoide são dor, edema, vermelhidão e inchaço nas juntas, especialmente nas mãos e punhos, sendo uma doença crônica.

:: Artrose ou osteoartrite

A artrose ou a osteortrite caracteriza-se pela degeneração da cartilagem que protege as extremidades ósseas, como cotovelos e joelhos, que tem o papel de amortecer os impactos durante os movimentos. Como as cartilagens não possuem terminações nervosas, os sintomas tendem a aparecer quando o osso, abaixo da cartilagem, já está sofrendo desgaste, ou mesmo quando outras estruturas já foram acometidas por inflamação, como os tendões, músculos e ligamentos.

Os principais sintomas são dor, inchaço, barulho e crepitação nas juntas. A dor ocorre, principalmente, quando a pessoa realiza alguma atividade física, que pode ser até o ato de caminhar, sentar, subir e descer escadas. O desgaste da cartilagem óssea está, em geral, associado à obesidade e à idade.

- Quanto mais obesa e sedentária for uma pessoa, ao longo do tempo de vida, tenderá a um maior risco do desenvolvimento dos sintomas decorrentes da osteoartrite - comenta Brenol.

Outros fatores que podem colaborar para a piora da doença são os esforços físicos excessivos, tais como os de impacto (corridas, caminhadas vigorosas, futebol, etc.).

:: Osteoporose

A osteoporose é uma doença que faz com que os ossos do corpo fiquem fracos, tornando-os mais propensos às fraturas, mesmo com mínimos traumas. Pessoas com mais de 60 anos, mulheres pós-menopausa, com antecedentes familiares, dieta pobre em cálcio, fumantes e consumidoras de álcool, sedentárias e em tratamento prolongado com corticoides têm maior risco de desenvolver a doença.

- Como a osteoporose pode não apresentar sintomas, as pessoas que se encontram nos grupos de risco devem consultar um médico com regularidade, que solicitará exames adequados para o seu diagnóstico e investigação de causas secundárias - enfatiza Brenol.

O especialista acrescenta que não fumar, beber com moderação, realizar exercícios físicos, efetuar o controle da obesidade, possuir uma dieta saudável e equilibrada são as melhores maneiras de prevenir e até de se obter melhor qualidade de vida, mesmo nas pessoas que já possuem o diagnóstico de doenças reumatológicas.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Saúde

Colunistas