nsc

publicidade

Segurança

Consumo e tráfico de drogas sintéticas impulsionam estatísticas de apreensões em Santa Catarina

Dados da SSP/SC revelam que o número de ocorrências envolvendo o recolhimento de entorpecentes cresce a cada ano desde 2010

13/03/2017 - 00h00

Compartilhe

Por Redação NSC
Em junho, policiais da Decod apreenderam mil comprimidos de ecstasy na Grande Florianópolis
Em junho, policiais da Decod apreenderam mil comprimidos de ecstasy na Grande Florianópolis
(Foto: )

A polícia catarinense nunca registrou tantas apreensões de drogas como no ano passado. Entre janeiro e dezembro, mais de 7 mil ocorrências terminaram com algum tipo de entorpecente retirado de circulação no Estado. A soma considera desde grandes apreensões, como a operação da Polícia Civil que interceptou um carregamento de 4,3 toneladas de maconha em Rancho Queimado, na Grande Florianópolis, até quantidades flagradas pela PM no dia a dia.

Dados da Secretaria do Estado da Segurança Pública revelam que o volume de apreensões cresce a cada ano desde o início da década (veja números na infografia abaixo). Em 2010, por exemplo, o enfrentamento ao tráfico não alcançava metade das apreensões ocorridas nos últimos dois anos. Parte do crescimento, diz a polícia, deve-se aos números de Florianópolis, que se destaca nas estatísticas estaduais e é considerada uma cidade-polo no mercado de drogas sintéticas.

A cada cinco apreensões de entorpecentes ocorridas em Santa Catarina no ano passado, pelo menos uma foi na Capital. Com 1,5 mil casos em 2016, a quantidade de apreensões na cidade foi maior do que a soma de todos os registros em São José, Joinville e Itajaí juntas, cidades que aparecem em seguida no ranking. Florianópolis lidera as apreensões de cocaína e maconha, além de ecstasy e LSD.

A Capital ainda concentrou o terceiro maior volume de apreensões de crack no ano passado, atrás somente de Joinville e de Chapecó, que lidera nesta estatística porque uma única operação realizada na cidade do Oeste recolheu 30 quilos do entorpecente. Mas a droga do momento na Capital, dizem delegados ouvidos pela reportagem, são as substâncias sintéticas. Só no ano passado, foram apreendidos 7,4 mil micropontos de LSD em Florianópolis. O ano terminou com 33 mil micropontos apreendidos em todo o Estado.

Desde o início da década, o máximo que já havia sido registrado foram 11 mil micropontos em 2013. As apreensões de ecstasy na Capital em 2016 também representam mais da metade de todo o volume da droga retirado de circulação em Santa Catarina: dos 89,7 mil comprimidos recolhidos pela polícia catarinense, 48,5 mil estavam em Florianópolis.

– Em relação à apreensão de drogas sintéticas, Florianópolis é disparada a capital em Santa Catarina, talvez até no Brasil – aponta o delegado Attilio Guaspari Filho, titular da Delegacia de Combate às Drogas (Decod) em Florianópolis.

Por ter um roteiro badalado de clubes e festas eletrônicas, destaca o delegado, a Capital abriga um grande mercado consumidor desse tipo de entorpecente.

– Isto, com certeza, influi na demanda. É oferta e procura. O pessoal vai consumir essas drogas em festas. Ninguém toma droga sintética para ficar andando na rua, como quem fuma maconha. Noventa por cento dos usuários consomem para sair em festas à noite – diz Guaspari.

Leia também: Produção própria facilita o mercado de drogas sintéticas em SC

"A guerra às drogas é um fracasso", diz advogado presidente de comissão da OAB em SC

Deixe seu comentário:

publicidade