nsc
dc

Pandemia

Coronavírus: ajuda para trabalhador informal será de R$ 600, diz Bolsonaro 

Presidente informa valor em live semanal 

26/03/2020 - 20h20

Compartilhe

Por Agência Brasil
Medida faz parte de combate à crise por causa do coronavírus
Medida faz parte de combate à crise por causa do coronavírus
(Foto: )

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de R$ 600 por mês. O anúncio foi feito durante a live semanal de Bolsonaro. O valor corresponde ao triplo informado inicialmente e será pago durante três meses.

​​​​​​​​> Em site especial, saiba tudo sobre coronavírus

- Aquela ajuda inicial para os informais, de R$ 200, que é muito pouco, conversei com Paulo Guedes, e ele resolveu triplicar esse valor - afirmou o presidente durante sua live semanal transmitida no Facebook.

O auxílio é voltado aos trabalhadores informais (sem carteira assinada), às pessoas sem assistência social e à população que desistiu de procurar emprego. A medida é uma forma de amparar as camadas mais vulneráveis à crise econômica causada pela disseminação da doença no Brasil, e o auxílio será distribuído por meio de vouchers (cupons).

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de informalidade (trabalhadores sem carteira assinada ou empreendedores sem registro, por exemplo) atinge 41,1% da força de trabalho ocupada no país.

O Ministério da Economia ainda não informou quanto esse novo valor do auxílio emergencial custará aos cofres públicos. Na época em que foi anunciado o voucher no valor de R$ 200, o ministro Paulo Guedes afirmou que o auxílio custaria, no total, R$ 15 bilhões. Os vouchers poderão ser retirados por pessoas inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, instrumento administrado pelo Ministério da Cidadania que identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, desde que o interessado não receba nenhum benefício social, como o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Economia

Colunistas