nsc
dc

Luto e adeus

Corpo de Amanda Albach será sepultado neste domingo no Paraná

Velório ocorre na manhã deste domingo, na Capela Fazenda Rio Grande; enterro está marcado para 11h30min

05/12/2021 - 06h00 - Atualizada em: 05/12/2021 - 07h11

Compartilhe

Gabriela
Por Gabriela Ferrarez
Um familiar veio ao Instituto Geral de Perícias de Tubarão, para identificar o corpo da jovem neste sábado (4)
Um familiar veio ao Instituto Geral de Perícias de Tubarão, para identificar o corpo da jovem neste sábado (4)
(Foto: )

O corpo de Amanda Albach estava previsto para ser liberado na madrugada deste domingo (5) ao Paraná. O velório e o enterro acontecem nesse domingo (5), na cidade em que a jovem morava, na região metropolitana de Curitiba. 

A informação foi repassada pelo advogado da família, que no momento afirmou focar em amparar a família. A jovem de 21 anos ficou desaparecida por 18 dias antes de ser encontrada enterrada em uma praia no limite entre Laguna e Imbituba.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Um familiar foi ao Instituto Geral de Perícias (IGP) de Tubarão para identificar o corpo neste sábado (4). De lá, foi feito o translado para Fazenda Rio Grande, cidade na região metropolitana de Curitiba onde Amanda morava. Foi de lá que ela saiu para comemorar o aniversário de sua amiga, uma das suspeitas de envolvimento no assassinato. 

O velório estava marcado para se iniciar às 5h30min deste domingo, na Capela Fazenda Rio Grande. O enterro ocorre às 11h30min. 

Relembre o caso

Amanda Albach foi baleada no dia 15 de novembro, após ser coagida a cavar a própria cova na praia Itapirubá Norte, limite entre Laguna e Imbituba. A jovem foi encontrada na praia após passar 18 dias desaparecida, quando os três suspeitos pelo seu assassinato foram presos em Canoas, no Rio Grande do Sul.

Ao G1 Paraná, a família contou que Amanda viajou para o Litoral catarinense com um casal de amigos. Ela não falou mais com a família depois da chegada em Santa Catarina.

A Polícia Civil confirmou a dinâmica do assassinato e a sua motivação com base no depoimento de um dos investigados. Conforme o delegado, o suspeito teria se incomodado após vítima contar para outras pessoas seu envolvimento com drogas e tirado uma foto com a sua arma.

> Caso Amanda Albach: o que se sabe até agora sobre o crime

A investigação aponta que antes de morrer Amanda estava hospedada na casa de um dos suspeitos, na praia de Itapirubá Norte, no limite entre Laguna e Imbituba. No dia 14 de novembro, ela foi para uma festa em um beach club em Jurerê Internacional, em Florianópolis, e retornou ao local no dia seguinte.

Leia também

Quem era Amanda Albach, encontrada morta em praia de SC após 18 dias desaparecida

SC chega a 13 regiões em risco moderado para Covid, mas duas áreas têm piora nos índices

Família e amigos se despedem de mãe e filhas mortas na BR-470: “Estamos sem chão”

Colunistas