nsc
dc

publicidade

Economia

Crise na Argentina afeta turismo em Santa Catarina  

Instabilidade no país vizinho faz setor de serviços projetar vinda de hermanos em menor número e buscar visitantes de outros mercados 

11/09/2019 - 06h45 - Atualizada em: 11/09/2019 - 15h03

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Capital de SC, Florianópolis é tradicional destino de argentinos durante o verão
Capital de SC, Florianópolis é tradicional destino de argentinos durante o verão
(Foto: )

A crise que acompanha a economia da Argentina no período que antecede as eleições presidenciais no país traz como reflexos a alta do dólar perante o peso e inflação de 55% ao ano. Mas os efeitos dessa conjuntura vão muito além das fronteiras do território governado por Maurício Macri.

Tradicional destino de argentinos durante o verão, Florianópolis já considera certo que outro reflexo dessa recessão argentina será a diminuição na próxima temporada do número de hermanos na cidade – um sotaque que se tornou comum entre os turistas da Capital.

A redução já foi sentida no último ano, quando a economia argentina apresentava dificuldades. Pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio - SC) ao final da temporada passada mostrou que a participação dos argentinos foi de 22,6% do total de visitantes – menor que nos anos anteriores. Em todo o Litoral do Estado, a participação dos hermanos caiu de 23,5% para 20,6% na temporada passada.

Redução no verão passado

O superintendente de Turismo de Florianópolis, Vinicius de Lucca Filho, acrescenta que no ano passado a redução de argentinos que passaram pelas fronteiras terrestres do Brasil (de carro e ônibus) chegou a expressivos 75%. Somente a vinda de avião cresceu na última temporada: 1,2%.

– Identificamos que o argentino que tradicionalmente comprava passagens e pacotes para o Caribe, Cancun e Nordeste do Brasil migrou para Florianópolis porque era mais barato.

Ele não deixou de viajar, mas foi para um destino mais em conta – argumenta.

Mesmo com essa redução de 2018, hoje a cada quatro estrangeiros que visitam a Capital na temporada, três são argentinos. Por esse peso no turismo da temporada que ainda representam, algumas

ações são consideradas estratégicas para tentar atrair os argentinos que mantiverem os planos de viajar no verão.

Uma das apostas são os voos da companhia ultra low cost argentina Flybondi, que terá três voos semanais de Buenos Aires a Florianópolis entre dezembro e fevereiro. A participação na tradicional FIT, feira de turismo que ocorre em outubro, e em eventos em

Mendoza e Córdoba, mercados alternativos a Buenos Aires, são outras medidas. Por fim, o alargamento da faixa de areia da praia de Canasvieiras, considerada a favorita dos hermanos que vêm à Capital, é outro trunfo para tentar incentivar os argentinos a cruzarem a fronteira em busca das praias. A obra está começando.

Quem está na mira do turismo local

Chile

No dia 3 de setembro, o Floripa Convention Bureau promoveu o Convetion Day, primeiro evento da instituição, voltado a discussão e promoção do turismo de negócios na Capital. Na pauta, estiveram painéis de áreas como gastronomia, tecnologia, destino para casamentos e também turismo de visitantes do Chile.

Na apresentação, a operadora Decolar.com apresentou dados como o de que no Brasil o turista chileno gasta três vezes mais do que quando viaja para a Argentina (US$ 774). Outro dado foi o de que as vendas do mercado chileno para Florianópolis cresceram em 128%, da alta temporada de 2018 para o mesmo período de 2019, sendo que 30% destas vendas foram via mobile.

A média de permanência média dos visitantes é de 6 a 9 dias, com gasto médio de US$ 109 por dia.

Paraguai e Uruguai

O Paraguai, que vem apresentando crescimento econômico moderado nos últimos anos, é outro destino por onde empresários e estimuladores do turismo do Floripa Convention Bureau passarão em um evento em novembro.

O país já costuma ter turistas, em geral com maior poder aquisitivo, procurando a cidade durante o verão. No mesmo mês, o grupo também estará no Uruguai, onde já há divulgação das atrações florianopolitanas há cinco anos.

Mercado nacional: SP e MG

O setor também busca visitantes de outros Estados do próprio país para estimular a movimentação na temporada. Afinal, nas últimas cinco temporadas, os turistas brasileiros foram responsáveis por 71% a 89% do turismo na Capital.

O interior de São Paulo, com cidades como Ribeirão Preto, Campinas e Americana, foi uma das principais regiões investidas com participação em feiras. O principal atrativo seria o poder aquisitivo considerado alto.

Outro Estado para quem o segmento olha é Minas Gerais. Nesse caso, a estratégia também passa pelas novidades do aeroporto agora administrado pela Floripa Airport.

Uma linha direta entre Florianópolis e Belo Horizonte que começa a operar em outubro, pela companhia Azul, é a aposta para trazer mais turistas mineiros. Representantes vão divulgar as atrações da capital catarinense no

Estado mineiro, mas a ideia é que a maior parte dos reflexos seja sentida a partir da temporada do ano que vem.

Peru e Colômbia

Os planos mais ambiciosos das lideranças do turismo da Capital envolvem atrair visitantes de Peru e Colômbia. Na primeira situação, a estratégia aproveita um voo recentemente lançado entre Lima e Porto Alegre para tentar fazer que os peruanos “estiquem” a estada no país e incluam Florianópolis nos planos - com medidas como voos de conexão a preços mais acessíveis, por exemplo. Há lideranças que acreditam que os peruanos podem se tornar até o terceiro maior público de estrangeiros nos próximos anos se o trabalho de divulgação que começou a ser feito for mantido.

No caso da Colômbia, o superintendente de Turismo da Capital acredita que a distância, os preços altos e a concorrência das praias do Caribe tornam o país um mercado difícil de conquistar. No entanto, o presidente do Floripa Convention Bureau, Humberto Freccia Neto, acredita que a Capital pode se apresentar como “uma boa novidade” para colombianos que busquem novos destinos.

Um grupo de 24 empresas de turismo colombianas esteve na cidade em um fan tour de quatro dias para conhecer as atrações. Um possível voo entre Bogotá e o novo terminal de Florianópolis, algo que começa a ser buscado junto a companhias aéreas, é visto como a cereja do bolo para essa estratégia.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade