nsc
an

34º Festival de Dança

Curso inédito sobre como gerir um negócio de dança é ministrado em Joinville

Evento deu dicas para quem está começando no ramo

28/07/2016 - 05h12

Compartilhe

Por Redação NSC
Curso inédito sobre ser empreendedor no mundo da dança foi realizado no Hotel Bourbon
Curso inédito sobre ser empreendedor no mundo da dança foi realizado no Hotel Bourbon
(Foto: )

Bailarinos de várias regiões do Brasil estão em Joinville para o 34º Festival de Dança. A maioria quer competir ou aprender coreografias. Neste ano, porém, uma atração fora dos palcos chamou a atenção, o curso inédito sobre como gerir um negócio de dança, realizado no Hotel Bourbon.

Leia mais informações sobre Joinville e região no AN.com.br

Os organizadores escolheram Joinville para sediar o curso justamente pela capacidade que a cidade tem de reunir profissionais dos quatro cantos do País e pelo interesse que muitos já haviam manifestado de conhecer a respeito de uma modalidade de negócio sobre a qual ainda há pouca informação.

Confira a programação completa do Festival de Dança de Joinville

O diretor da Escola SD Ballet, de Criciúma, e ministrante do curso, Deivid Paida, explica que o mercado da dança ainda é amador no País. Segundo ele, muitas escolas de dança sequer possuem CNPJ, motivo pelo qual o Ministério da Cultura não consegue contabilizar o número exato de estabelecimentos. Deivid diz, ainda, que raramente os diretores dessas escolas têm conhecimento sobre a parte administrativa.

- Geralmente é um excelente bailarino e as pessoas querem aprender com ele. Aí se forma a escola, só que o foco é a técnica perfeita, e o profissional se esquece de outros aspectos do negócio, como atendimento ao cliente. Muitos reclamam que a dança não é valorizada, isso acontece porque o profissional da dança não soube criar valor - analisa.

A SD Ballet, escola da qual Deivid Paida é sócio, conta com 157 alunos que pagam entre R$ 150 e R$ 190 por mês. Além das aulas, outros serviços e facilidades ajudam a agregar valor à experiência do cliente e aumentam o faturamento da empresa. A escola vende materiais didáticos e, dependendo da unidade, oferece conforto de estacionamento coberto.

A empresa também vai ao encontro do aluno, alugando salas em colégios privados para que os clientes não precisem ir até a escola de dança. Em horários ociosos, a empresa aumenta os ganhos alugando seu espaço próprio para outras escolas que oferecem dança para idosos, por exemplo.

Quando a SD Ballet começou suas atividades, não havia tradição de dança na região. Então o foco dos sócios era fazer com que as pessoas se acostumassem a falar de dança, foi quando surgiu o festival de balé infantil. Somente na terceira edição do evento, a empresa começou a trabalhar a marca. Atividades na saída de escolas, material gráfico e investimento em assessoria de imprensa fizeram parte da estratégia inicial e ajudaram a impulsionar o negócio.

Colunistas