nsc

publicidade

Notícia

Dados do Censo 2010 apontam que 7,2 mil vivem em favelas em Joinville

IBGE diz que há dez áreas consideradas aglomerados subnormais na cidade mais populosa de Santa Catarina

22/12/2011 - 06h38

Compartilhe

Por Redação NSC
Loteamento José Loreiro, no bairro Ulysses Guimarães, é uma das áreas onde vivem famílias de baixa renda, à espera de regularização
Loteamento José Loreiro, no bairro Ulysses Guimarães, é uma das áreas onde vivem famílias de baixa renda, à espera de regularização
(Foto: )

A afirmação de que Joinville não tinha favelas caiu por terra na manhã de quinta-feira, quando o IBGE divulgou novos dados do Censo 2010. Nesta etapa, foi publicado o levatamento sobre aglomerados subnormais - as conhecidas favelas e áreas de invasões. Na cidade mais populosa do Estado, foram localizados dez pontos com exatos 7.198 pessoas vivendo neles.

Mais: Confira um infográfico sobre as dez áreas identificadas pelo IBGE

Alguns dos locais de favela apontados pela pesquisa foram criados há anos, como o Itajubá, no bairro Bom Retiro. Na região Norte ainda aparecem o Jardim Paraíso 3 e 4. Na zona Sul, estão na lista Estevão de Matos, Jardim Canaã, Jardim Edilene, no Paranaguamirim. Assim como a Margem do Rio Itaum 1, 2 e 3, nos bairros Fátima e Itaum, e José Loreiro, no Ulysses Guimarães.

O mais populoso deles é o José Loreiro, com 791 domicílios e 2.902 pessoas, seguido do Estevão de Matos. O menor é o da rua Itajubá, com 92 casas e 365 pessoas.

Outras 14 cidades de Santa Catarina também aparecem no levantamento. Levando em consideração o número de pessoas, a lista do IBGE é liderada por Blumenau, com 23.131, seguida por Florianópolis, com 17.573, e Joinville está em terceiro lugar. Da região Norte de SC, Barra Velha aparece na 12ª posição, com 561.

Em proporção ao total de habitantes, Joinville não está mal na foto. Dos 515 mil moradores, 1,4% vive em aglomerados classificados pela pesquisa com subnormais. Com isso, a cidade sai do topo e cai dez posições, ficando à frente só de São José e Balneário Camboriú.

A pesquisa também mostra outros dados interessantes sobre Joinville. Dos mais de 1,9 mil domicílios particulares, quatro não têm energia elétrica e 348 não têm medidor. A coleta de lixo é feita na maior parte das casas. Quanto ao abastecimento de água, 1,7 mil casas usam a rede geral.

À espera da regularização

Lentidão da Justiça atrapalha

Família na fila da habitação

Deixe seu comentário:

publicidade