nsc
an

34º Festival de Dança

Danças urbanas e contemporânea são atrações da sexta noite competitiva do Festival de Joinville

Enquanto uma desperta gritos a cada perfomance, a outra é capaz de provocar expressões de interrogação

27/07/2016 - 03h32 - Atualizada em: 27/07/2016 - 11h31

Compartilhe

Por Redação NSC
Street Extreme Cia. de Dança apresenta coreografia de conjunto júnior
Street Extreme Cia. de Dança apresenta coreografia de conjunto júnior
(Foto: )

Não é à toa que a sexta e a oitava noites da Mostra Competitiva do Festival de Dança de Joinville misturam, em sua programação, coreografias de danças urbanas e de dança contemporânea. Enquanto a primeira desperta gritos de satisfação da plateia durante as performances, a outra chega a deixar pontos de interrogação nas expressões dos espectadores que não estão acostumados ao gênero. Por isso, colocá-las na mesma noite provoca o intercâmbio entre bailarinos e coreógrafos e colabora na troca de conhecimentos.

Para o coreógrafo Luis Ferron, que integra a banca de jurados de dança contemporânea, a diferença de reações que cada gênero provoca é natural e, provavelmente, inalterável. Enquanto as apresentações de danças urbanas causam o prazer de assistir à jovialidade e o vigor de bailarinos que utilizam a força e a energia, a dança contemporânea não evidencia um ponto de identificação fácil ao público.

- Da mesma forma que o balé clássico, as danças urbanas têm o apelo popular do virtuosismo, da superação do ser humano, aquele mesmo que temos ao assistir, por exemplo, uma competição de ginástica olímpica - avalia Ferron.

Segundo ele, o fato de as danças urbanas estarem na mídia, com músicas populares e modernas, também facilitam a identificação. Já a dança contemporânea, assim como as artes visuais e a música que ganham o mesmo título, não reproduz a a cultura popular, já que é pautada pela criação.

- Ela não encontra adesão no mundo inteiro - explica o coreógrafo - mas, no Brasil, também não temos uma educação para formação nas artes que nos estimule a apreciar obras de arte.

No ano passado, apenas uma coreografia conquistou primeiro lugar em dança contemporânea na Mostra Competitiva - o Espaço Artístico Nicole Vanoni, em duo sênior, que volta ao palco do Festival na oitava noite competitiva - o que significa que, na noite de hoje, as 13 coreografias apresentadas passaram pela seleção. Já em danças urbanas, o Grupo Sigma e a Street Extreme Cia. de Dança, ambas de Curitiba, se apresentam após terem conquistado o primeiro lugar em suas categorias no 33º Festival.

Agende-se:

O QUÊ: 6ª noite da Mostra Competitiva.

QUANDO: hoje, às 19 horas.

ONDE: Centreventos Cau Hansen (avenida José Vieira, 315).

QUANTO: ingressos variam entre R$ 20 e R$ 100, à venda na bilheteria do Centreventos a partir das 13 horas e no site festivaldedanca.com.br.

Confira a programação completa do Festival de Dança de Joinville

Colunistas