nsc
    dc

    Crise em Brasília

    Debate sobre CCs deveria ser sobre desempenho, diz pesquisador

    Félix Lopez, do Ipea, discorda de afirmativas que indicam a existência de quase 22 mil cargos para livre negociação no governo federal

    06/05/2016 - 22h06

    Compartilhe

    Por Redação NSC

    Organizador do livro Cargos de Confiança no Presidencialismo de Coalizão Brasileiro, o pesquisador Félix Garcia Lopez classifica como equivocadas as afirmativas que indicam a existência de quase 22 mil cargos federais para livre negociação. Técnico do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ele avalia que a discussão deveria se voltar aos critérios de nomeação e de desempenho.

    É correto afirmar que a Presidência tem quase 22 mil cargos para negociar?

    É incorreto. A maior parte desses cargos são ocupados por servidores vinculados às carreiras de Estado, o que é um indício de que não é o governo que usa como moeda de troca. A ocupação das DAS até o nível 4 é definida mais pelo corpo de servidores. De fato, o governo só tem prerrogativa de autorizar nomeação nos níveis 5 e 6, que representam 6% do total, cerca de 1,3 mil cargos. São essas as funções em disputa. Os demais são periféricos e com pouco poder político e administrativo. Esse discurso serve muito à disputa política, mas, para a análise, é um erro. A ideia de que os partidos estão dominando e negociando é equivocada. É importante registrar que esses cargos são da administração direta. Existe uma fatia de poder que está fora disso, nas empresas estatais e nos fundos de pensão. São lugares em que há pouca transparência e temos pouca informação.

    Leia mais

    Mudança no governo deixaria cerca de 22 mil cargos nas mãos de Temer

    Ministros de Dilma já planejam futuro longe do governo federal

    Entidades já afirmaram que seriam 100 mil cargos, referindo-se às funções gratificadas de todo o serviço público.

    É um equivoco. Os cargos de gratificação são ocupados por membros do serviço público vinculados aos órgãos. Tem de fazer essa distinção. Um chefe de departamento é escolhido pelos colegas. É diferente de escolher o diretor de uma agência. Colocar tudo num saco de definição idêntica é um erro. Muita coisa só serve para o debate político e não para a análise qualificada.

    Qual o número de cargos que o Planalto tem para negociação política?

    A Casa Civil é que poderia responder melhor. Mas isso também não é transparente, não é público. A melhor aproximação é dizer que as negociações estão mais concentradas nas DAS de nível 5 e 6 (1,3 mil).

    O número atual de DAS é adequado?

    Não temos esse tipo de análise. Quando se fala de reforma administrativa e enxugamento, o cargo de confiança sempre é mencionado. O que há é espaço para aumento da eficiência, e isso pode passar pela redução ou realocação.

    O cargo em comissão cumpre papel relevante na administração pública?

    Você precisa de gente para exercer coordenações, direções, chefias. É fundamental para estruturar o Estado. Para quem desempenha essa função, você tem de dar a devida compensação. O que podemos pensar é em avanço na definição de critérios mais rigorosos para a ocupação desses cargos, discussão que tem espaço, e não na extinção. Aí teremos um debate mais qualificado.

    Colunistas