nsc

publicidade

Tratamento alternativo

"Decidi tomar e botei na mão de Deus", diz homem que usa substância produzida em Pomerode no combate ao câncer

Universidade de São Paulo produz e distribui a fosfoetanolamina mediante decisões judiciais

24/09/2015 - 07h01 - Atualizada em: 24/09/2015 - 13h16

Compartilhe

Por Redação NSC
Orlando Neves toma as cápsulas desde novembro
Orlando Neves toma as cápsulas desde novembro
(Foto: )

As dores no abdômen do corretor de imóveis Orlando Neves foram o gatilho para uma consulta médica. Uma série de exames dias depois revelou: tinha três tumores malignos no fígado e a proteína produzida no órgão estava superior a 20 mil ng/ml - quase duas mil vezes maior que o quantidade de referência para um adulto.

::: Entenda o que é e como age a substância usada no tratamento de câncer feita em Pomerode

::: Conheça o pomerodense que fabricava a substância em casa

::: Médicos pedem cautela sobre tratamento alternativo contra o câncer

::: Veja a linha do tempo com a história da produção da fosfoetanolamina

::: Entenda por que a substância não pode ser vendida

Cardíaco e com hepatite, foi levado a Pomerode pelo filho até a casa de Carlos Kennedy Witthoeft, que produzia a fosfoetanolamina sintética, substância usada como tratamento alternativo. Começou em novembro com três cápsulas por dia e quando consultou um oncologista, em dezembro, o informou sobre a decisão:

- Não queria fazer quimioterapia e avisei o médico que não faria o tratamento. Expliquei da fosfo e ele falou que se estava fazendo bem e os exames comprovavam era para continuar. Decidi tomar a fosfo e botei na mão de Deus. Acreditei.

O último exame de Neves, feito no dia 2 de julho, apontou um resultado de 4,71 ng/ml de alfa-fetoproteína - o valor de referência é 10,9 ng/ml - e os tumores diminuíram.

O Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo garante que não tem dados sobre a eficácia da fosfoetanolamina sintética no tratamento dos diferentes tipos de câncer em seres humanos, pois não há controle clínico de pacientes que já tomaram a substância e o instituto não possui médicos para orientar e prescrever o uso dela.

Apesar disso, a universidade produz e distribui a fosfoetanolamina sintética mediante decisões judiciais.

Deixe seu comentário:

publicidade