nsc

publicidade

Política

Decisão contra Angela Amin não tem interferência jurídica na votação do 2º turno, dizem especialistas

Para eles, só poderia haver questionamento a diplomação, posse e gestão de Angela, se ela for eleita no dia 30 de outubro

04/10/2016 - 19h13 - Atualizada em: 21/06/2019 - 23h30

Compartilhe

Por Redação NSC
Especialistas avaliam que decisão não tem interferência jurídica na votação do segundo turno
Especialistas avaliam que decisão não tem interferência jurídica na votação do segundo turno
(Foto: )

A condenação de Angela Amin no STJ não tem nenhuma interferência jurídica na votação do segundo turno da eleição em Florianópolis, na opinião do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC) Márcio Luiz Fogaça Vicari e do advogado especialista em direito público e atuante em causas eleitorais e de improbidade administrativa, Ruy Espíndola. Para eles, só poderia haver questionamento a diplomação, posse e gestão de Angela, se ela for eleita no dia 30 de outubro. Ambos apontam diferenças caso o processo tenha transitado em julgado antes ou depois da posse.

Para o doutor Espíndola, Angela não perderia o lugar no segundo turno porque não está inelegível. Isso porque a atual sentença de condenação por improbidade só cumpre três dos cinco requisitos da Ficha Limpa: suspensão de direitos políticos, doloso ato de improbidade e dano ao erário público. Faltam a decisão colegiada pela condenação, o que ainda pode acontecer, e o enriquecimento ilícito, que inicialmente não existe em nenhuma parte do processo.

Angela Amin fala sobre condenação no STJ

Nessa situação, o recurso precisaria ser ingressado no prazo estipulado de até três dias depois da diplomação. Se esse processo transitasse em julgado na Justiça Eleitoral confirmando a condenação, a interpretação mais comum é de que a chapa inteira seria cassada e ocorreria uma nova eleição. Os especialistas alertam, porém, que há entendimentos diferentes, de que apenas o candidato condenado perderia o direito de exercer o cargo. Não há, portanto, um consenso sobre isso no meio jurídico.

Se ela for eleita e não houver condenação na Justiça Eleitoral, mas o STJ confirmar a condenação na Justiça Comum, a interpretação dos advogados é que Angela teria os direitos políticos suspensos e perderia o cargo, assumindo o vice que, nesse cenário, não seria afetado.

A decisão da Justiça Comum reflete diretamente no mandato, extinguindo-o, caso ela vença a eleição. Esse reconhecimento se daria por despacho simples do juiz da Comarca de Florianópolis para o presidente da Câmara de Vereadores, que teria que cumprir a determinação sob pena da perda da presidência da Casa.

Leia mais:

Angela Amin (PP) é condenada no STJ por improbidade administrativa

"Despropositada e em tempo inoportuno", diz advogado da coligação de Angela Amin sobre decisão do STJ

Moacir Pereira: decisão contra Angela Amin é o principal fato político do início do 2º turno em SC

Upiara Boschi: um (grande) problema a mais para Angela Amin

Deixe seu comentário:

publicidade